Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
5

BILAS LEVA TUDO À FRENTE

Um antigo campeão nacional de pugilismo, que já tinha cumprido pena por homicídio, foi detido pela PSP de Almada, depois de ter provocado distúrbios no Centro de Segurança Social de Almada. O indivíduo, por alcunha ‘O Bilas’, perdeu o controlo depois de ter ficado mais de uma hora à espera de uma resposta das funcionárias do Centro, para depois lhe dizerem que “o assunto não era para ser ali tratado”.
19 de Dezembro de 2002 às 00:00
O antigo atleta é, no entanto, conhecido por reagir com violência e agressões, mesmo perante as autoridades policiais. E tem também processos pendentes pela prática de vários tipos de crimes.

O caso passou-se na terça-feira à tarde, quando o ‘Bilas’ se dirigiu à Segurança Social de Almada, aparentemente para resolver um problema de natureza burocrática. O facto, porém, de ter explicado ao que vinha e de só ao fim de hora e meia ter recebido a resposta de que “não era ali” exasperou o antigo pugilista, segundo uma funcionária adiantou ao Correio da Manhã sob anonimato.

No Centro, de dois pisos, começou-se a ouvir “barulho, coisas a partir e gritaria”, o primeiro sinal de que o ‘Bilas’ tinha tomado conta do segundo piso.
Estavam lá cerca de 20 funcionárias. Umas quantas fecharam-se no gabinete da responsável do serviço, outras fugiram por uma porta lateral, uma outra tentou esconder-se no meio dos armários, outra ainda encontrou refúgio debaixo de uma secretária.

Dominando tudo e todos estava o ‘Bilas’ empunhando ameaçadoramente um extintor, que batia contra a porta do gabinete onde se tinham refugiado algumas das funcionárias. Os gritos de um - de raiva - e de outras - de medo - misturavam-se. Pelo chão jazia o que fora uma mesa, agora partida a pontapé, no meio de cacos de um antigo vaso.

No primeiro piso, vinte a trinta pessoas que esperavam a vez de serem atendidas, nem sabiam o que pensar, tal a confusão gerada. E de uma das janelas a responsável do primeiro piso gritou para a via pública: “Chamem a polícia”.

Primeiro veio um carro-patrulha, da Divisão de Almada da PSP, mas o voluntarismo de um agente quase o fez perder. “O tipo, assim que viu o polícia, atirou-lhe com o extintor”, conta quem viu; e acrescenta: “Aquilo passou a rasar a cabeça do polícia”.

Vieram mais doi agentes e foi necessário usar a força para conseguir imobilizar o “Bilas” e pôr-lhe as algemas. “Mesmo assim ele torcia-se todo, para se libertar”. Um dos agentes ainda teve de ir ao Hospital Garcia de Orta para exames, mas ao fim da tarde de ontem, presente a tribunal, o ‘Bilas’ acabou por ser mandado em liberdade até ao julgamento.

No medo mantinham-se as funcionárias da Segurança Social de Almada, receosas de ver o antigo pugilista reaparecer portas dentro. Do Centro de Segurança Social de Setúbal, que superintende Almada, não havia comentários, pois o director, Dr. Manuel Pires, “está em reunião”.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)