Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
6

Brasil enfrenta farmacêutica

O presidente brasileiro Lula da Silva decidiu o licenciamento compulsivo do medicamento Efavirenz, destinado a seropositivos e até agora só produzido e comercializado no Brasil pela farmacêutica Merck Sharp & Dohme.
6 de Maio de 2007 às 00:00
Lula da Silva justificou medida com os custos do remédio para sida
Lula da Silva justificou medida com os custos do remédio para sida FOTO: Jamil Bittar / Reuters
Na prática, a medida implica a quebra da patente do anti-retroviral, recebido gratuitamente por 75 mil brasileiros que têm sida e dependem do sistema público de saúde, o que representa um custo anual de 43 milhões de dólares para o governo de Brasília.
Sem conseguir convencer o laboratório a reduzir o custo do medicamento para valores considerados aceitáveis, o novo ministro do Saúde brasileiro (nascido em Portugal), José Gomes Temporão, declarou na semana passada que o Efavirenz seria “medicamento de interesse público” e enviou a proposta de licenciamento compulsivo, aceite na sexta-feira por Lula da Silva.
Devido a esta polémica decisão, a Merck perde a exclusividade do medicamento e o Brasil pode começar a produzi-lo ou a importar genéricos.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)