Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
4

Bruxa condenada devolve 107 mil euros

Vidente de Montemor-o-Novo movimentou contas bancárias de dois irmãos.
Mário Freire 17 de Março de 2018 às 01:30
Vidente foi condenada a cinco anos de prisão, com pena suspensa
Vidente
Vidente saca 50 mil euros a idoso desesperado
Conhecida ‘bruxa vidente’ de Montemor-o-Velho conseguiu aceder às contas das vítimas, de Cantanhede, que foram a uma consulta e acabaram a viver com ela
Vidente saca 50 mil euros a idoso desesperado
Vidente saca 50 mil euros a idoso desesperado
Vidente
Vidente
Vidente foi condenada a cinco anos de prisão, com pena suspensa
Vidente
Vidente saca 50 mil euros a idoso desesperado
Conhecida ‘bruxa vidente’ de Montemor-o-Velho conseguiu aceder às contas das vítimas, de Cantanhede, que foram a uma consulta e acabaram a viver com ela
Vidente saca 50 mil euros a idoso desesperado
Vidente saca 50 mil euros a idoso desesperado
Vidente
Vidente
Vidente foi condenada a cinco anos de prisão, com pena suspensa
Vidente
Vidente saca 50 mil euros a idoso desesperado
Conhecida ‘bruxa vidente’ de Montemor-o-Velho conseguiu aceder às contas das vítimas, de Cantanhede, que foram a uma consulta e acabaram a viver com ela
Vidente saca 50 mil euros a idoso desesperado
Vidente saca 50 mil euros a idoso desesperado
Vidente
Vidente
Uma vidente de Montemor-o-Velho foi ontem condenada pelo Tribunal de Coimbra a cinco anos de prisão, com pena suspensa, e a pagar 107 mil euros a um casal de irmãos a quem retirou dinheiro das contas bancárias. No prazo de um ano vai ter de pagar já às vítimas, de 66 e 81 anos, dez mil euros de indemnização.

Para os juízes, não há dúvidas de que Fátima Roque movimentou a conta dos ofendidos e fez várias transferências de dinheiro, num total de 109 mil euros. No entanto, usou no bem-estar dos idosos 50 euros em consultas no médico, três mil euros em honorários de um advogado e ainda pagou obras na casa dos dois irmãos. Gastos que serviram de atenuante na decisão do coletivo, para chegar ao valor de 97 mil euros, que a arguida terá de entregar aos lesados. A este valor, acresce a indemnização de dez mil euros.

Para o tribunal não há dúvidas de que a arguida adquiriu vários bens com o dinheiro para proveito próprio, como por exemplo um carro e vários artigos em ouro, "sem autorização e aproveitando-se da humildade do casal", adiantou a juíza.

As vítimas foram convencidas, pela alegada vidente, de que só em casa lhes poderia dar proteção. Os dois irmãos concordaram em viver na casa da mulher, onde estiveram durante três anos, pagando uma renda mensal de 500 euros.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)