Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
4

Burlona ataca na internet

Ricardo Serrano conheceu Maria da Graça através da internet. Após a troca de fotografias e dos primeiros telefonemas, diz ter “gostado dela”, porque lhe parecia uma “mulher séria”, “sem vícios” e com “bons sentimentos”. Agora, sente-se enganado: acusa Maria da Graça de o ter convencido com diversas propostas financeiras e a utilizar os seus cheques para fazer compras. Hoje, a mulher tem já de novo a sua página na ‘web’ à procura de novos namorados.
25 de Julho de 2005 às 00:00
Maria de Graça e  Ricardo, quando eram um casal feliz
Maria de Graça e Ricardo, quando eram um casal feliz FOTO: d.r.
José Joaquim Ricardo Serrano, solteiro, 36 anos, natural de Mirandela, apresentou queixa na Polícia Judiciária contra Maria da Graça Gomes, divorciada, 40 anos, de Vila Nova de Gaia – a quem acusa de o ter levado a entrar em esquemas de financiamentos com viaturas, motos e movimentos de cheques.
“Gostei muito dela, porque me parecia uma pessoa sincera que apenas queria companhia para formar um lar. Mas, de uma vida limpa e desafogada, num ano, fiquei atolado de dívidas que não sei como irei sair”, lamenta. Ricardo diz ainda que a mulher chegou a ter uma reunião com o responsável pelo Plano Director Municipal (PDM) de Mirandela para lotear os terrenos da sua família. “Primeiro, meteu a minha família no coração, para procurar meter-nos a todos em negócios que só ela sabe como os pensava fazer, já que somos pessoas modestas”, diz.
Segundo o queixoso, Maria da Graça Gomes, logo após o relacionamento, obrigou-o a comprar um BMW novo, porque “dizia que um homem de negócios tinha de manter boa aparência”. Ricardo aceitou ficar titular do empréstimo para pagar o carro contra a promessa de ela o ajudar a pagar. “Ela disse-me que estava a tratar do divórcio, e, por isso, não podia assinar nenhum documento”, recorda Ricardo Serrano.
CHEQUE EM BRANCO
Maria da Graça Gomes, quando deu início ao loteamento dos terrenos da família de Ricardo, deu-lhe um conselho: ele deveria ter contas em vários bancos, transferindo o dinheiro de uns para os outros, para dar a ideia de que eram gente de posses e assim era mais fácil adquirir créditos. “Trouxe-me os documentos para eu assinar, pediu-me um cheque em branco que apareceu mais tarde num ‘stand’ para pagar uma moto que tinha comprado para o filho”, conta.
Quando a mulher percebeu que ele desconfiava dos esquemas em que estava metido, ela utilizou mais um truque: “Disse-me que tinha tido uma filha minha, de sete meses, o que é impossível porque sempre que estive com ela nunca notei qualquer sinal de gravidez. Ameaçou-me que só ma mostrava quando quisesse e que dentro de um ano seria chamado para a perfilhar”, diz Ricardo.
O Correio da Manhã tentou, nos últimos dias, falar com Maria da Graça Gomes – mas ela sempre se esquivou a qualquer contacto. O CM sabe que ela durante esta semana está de férias no Algarve.
O ANÚNCIO QUE CUSTOU CARO
Aceder à página de internet onde está o anúncio de Maria da Graça Gomes não custa um cêntimo. Basta escrever o endereço, www.quedaconmigo.com e começar a pesquisa, ou ‘búsqueda’.
O primeiro passo é definir o tipo de encontro: “soy um hombre em busca de una mujer” (sou um homem à procura de uma mulher). A idade da candidata deve estar entre os 25 anos e os 40 anos. No espaço do país, escolher Portugal e na província indicar ‘Porto’.
Ontem à tarde, o anúncio de Graça Gomes encontrava-se ainda na página 7 da lista de resultados da pesquisa. Ao contrário de muitos outros anúncios, Maria da Graça não colocou fotografia. E a sua mensagem não revela nada de anormal: “Sou uma jovem Senhora muito infeliz, porque não tenho alguém com quem partilhar os bons sentimentos, os desabafos, etc. De personalidade forte, independente, excelente apresentação, bem colocada profissionalmente. Fui nascida e criada no Porto (Vila Nova de Gaia)”.
À PROCURA DE COMPANHIA NA REDE VIRTUAL
As páginas de encontros multiplicam-se na internet e são um fenómeno à escala global, existindo versões em todas as línguas e em quase todos os países, Portugal incluído.
A fórmula base é simples. Os utilizadores enviam uma série de dados pessoais (sexo, idade, altura, gostos, etc.) e também indicação sobre o tipo de pessoas que querem conhecer (homens, mulheres, casais), e com que finalidade.
Todos os utilizadores são então colocados num enorme catálogo, que pode ser consultado de acordo com alguns dos parâmetros: “homem procura mulher”, “mulher procura homem”, “homem procura homem”, “casal procura casal”, com determinada idade, a residir numa cidade específica. Para fins de amizade, conversa ou algo mais.
E por cada pesquisa efectuada, a página de internet devolve os detalhes de todos os que se encontram na situação indicada, fornecendo uma forma de estabelecer contacto – quase sempre o correio electrónico.
DESMACARADOS
SEDUTOR DO MINHO
Em Junho, foi condenado a dois anos de prisão, suspensa por três anos. Júlio Costa, conhecido por ‘Capitão Roby à moda do Minho’ estava acusado de, desde 2003, seduzir e burlar uma socióloga em 37 250 euros (um carro e mais 9400 euros em dinheiro).
VIDENTES PERIGOSOS
São inúmeros os casos de videntes burlões investigados pelas autoridades. Aproveitando a fragilidade das vítimas, os videntes propõem-se encontrar solução para os mais diversos problemas a troco de dinheiro, peças de ouro e outros bens. Algumas pessoas entregam milhares de euros.
FALSOS FISCAIS
São as burlas menos elaboradas e, no entanto, mais frequentes. Alguém que se faz passar por representante de uma empresa, seja água, electricidade ou telefone, e que aborda as vítimas, normalmente idosos, exigindo pagamentos de contas em atraso ou de taxas fictícias. Em Dezembro do ano passado, em Chelas, Lisboa, uma mulher de 68 anos percebeu a tempo que o homem a quem entregara 150 euros não era funcionário da EDP, mas um burlão.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)