Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal

Burocracia atrasa regresso

Os corpos dos empresários portugueses que morreram num acidente de avião no sábado em Angola – e que deveriam ter sido trasladados ontem – ficaram em Luanda “devido a questões burocráticas de última hora”.
22 de Janeiro de 2008 às 00:00
De acordo com fonte da Secretaria de Estado das Comunidades, “apesar da excelente cooperação entre os representantes do Governo português e as autoridades angolanas, surgiram dificuldades burocráticas que impediram a trasladação dos corpos hoje [ontem]”. A natureza dos problemas administrativos não foi explicitada.
A mesma fonte adiantou ao CM que os restos mortais de Vasco Mendes de Almeida e Nuno Marques “chegarão amanhã [hoje] num voo da TAP” que aterra na Portela ao final da tarde.
Recorde-se que fonte consular portuguesa em Luanda tinha avançado no domingo que os corpos dos empresários portugueses chegavam ontem a Lisboa. O atraso na trasladação obrigou a empresa responsável pelos funerais a adiar as cerimónias fúnebres por 24 horas (ver apoios). O CM apurou que ainda foi ponderado o frete de um avião a expensas do Estado português para que o repatriamento acontecesse ontem, mas a hipótese foi descartada.
Entretanto, no Huambo, província onde ocorreu a queda da aeronave, a comissão de inquérito ao acidente criada pelo governo angolano – da qual fazem parte peritos da Força Aérea e do Instituto Nacional de Aviação Civil – já está a analisar os destroços do aparelho e a caixa negra, que foi encontrada anteontem.
Os familiares de Vasco Mendes de Almeida e Nuno Marques também estão em Angola para acompanhar a trasladação dos corpos, estando a receber apoio da Embaixada portuguesa em Luanda.
Vasco Mendes de Almeida e Nuno Marques morreram no sábado passado, depois de o avião em que seguiam se ter despenhado durante a aproximação ao aeroporto do Huambo. Os empresários viajavam num King Air B200 da companhia Girabola, propriedade de Valentim Amões, que também seguia na aeronave. Estavam em Luanda para tratar da importação de automóveis chineses para Angola.
ERRO DO PILOTO CAUSOU QUEDA
Um erro do piloto terá estado na origem do acidente com o King Air B200. “A tripulação do avião cometeu um lapso técnico. Voava a 2000 pés [cerca de 600 metros] numa área montanhosa”, afirmou o ministro dos Transportes angolano, Helder Presa, ao ‘Jornal de Angola’ depois de ter estado no local da queda, a serra de Mvabe, cujo ponto mais alto atinge os 2021 metros. Uma equipa de peritos está desde ontem a realizar uma análise técnica dos destroços.
APONTAMENTOS
FUNERAIS EM LISBOA
O corpo de Vasco Mendes de Almeida será velado na Basílica da Estrela, enquanto Nuno Marques ficará na Igreja de São João de Deus, ambas em Lisboa. Os funerais são amanhã no cemitério de Benfica, estando as missas de corpo presente marcadas para as 10h30 e 14h00, respectivamente.
SERFINGEST À ESPERA
Na empresa presidida por Vasco Mendes de Almeida, “o momento é complicado”. Fonte da sociedade adiantou ao CM que “só amanhã [hoje] será possível esclarecer qualquer assunto relativo à empresa”. A Serfingest é uma sociedade gestora de participações sociais ligada ao sector automóvel que emprega 360 colaboradores.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)