Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
8

Buscas em quatro bairros

Cerca de cem agentes da PSP – uns fardados, outros à civil, e outros com os rostos cobertos – cercaram ontem quatro bairros de Lisboa e Loures. Munidos de 25 mandados de busca domiciliária, os agentes foram à procura de pequenos traficantes de droga e alguns fornecedores referenciados em investigações com mais de um ano.
16 de Abril de 2008 às 00:30
As câmaras da SIC filmaram a operação da manhã de ontem
As câmaras da SIC filmaram a operação da manhã de ontem

Foram detidas 14 pessoas, duas das quais do sexo feminino, com idades entre os 20 e os 50 anos, que se dedicavam ao tráfico de haxixe e heroína. Nove outros indivíduos foram constituídos arguidos no âmbito de processos de tráfico de droga e armas ilegais.

A megaoperação policial de combate ao tráfico de estupefacientes foi coordenada pela Divisão de Investigação Criminal de Lisboa e contou com a colaboração de equipas cinotécnicas, do Corpo de Intervenção e das brigadas de intervenção rápida da PSP de Lisboa.

Às 07h00 em ponto, os agentes bateram à primeira porta, sendo que as operações ocorreram nos quatro bairros em simultâneo. Foram apanhados vários indivíduos já referenciados em flagrante delito. Até às 13h00 a PSP fez buscas a 25 casas nos bairros Padre Cruz e Horta Nova, em Carnide, e nos bairros Quinta da fonte, em Sacavém, e Serra da Luz, na Pontinha. Em pelo menos três situações, os agentes tiveram de esperar que os residentes chegassem a casa para proceder às buscas.

O alvo principal das autoridades, que mobilizou o maior efectivo policial, foi o Bairro Padre Cruz. Houve quem acordasse sobressaltado por não esperar a visita da polícia, houve quem recusasse abrir a porta aos agentes, obrigando-os a arrombá-las, e houve até quem criticasse e elogiasse o trabalho dos agentes.

'Apesar de algumas críticas à actuação da polícia, houve muitas pessoas do bairro Padre Cruz que nos elogiaram e nos deram apoio. E até nos disseram que estas operações deviam ser feitas mais vezes', disse Dário Prates, comandante da Divisão de Investigação Criminal de Lisboa, ao Correio da Manhã.

EQUIPAMENTOS DE CLUBES CONTRAFEITOS

Durante as buscas domiciliárias realizadas nos quatro bairros situados na Grande Lisboa foram apreendidas 17 caixas de vestuário e 22 outras recheadas com diversos adereços desportivos contrafeitos. No meio dos caixotes, os agentes encontraram centenas de etiquetas de marcas conhecidas, também estas falsificadas, prontas para serem aplicadas em várias peças de roupa básicas. No meio de calças, casacos e t-shirt’s, a PSP descobriu ainda dezenas de equipamentos – calções e camisolas – do Sporting e do Benfica de vários tamanhos que eram afinal imitações. A investigação da Divisão de Investigação Criminal da PSP vai continuar, no sentido de descobrir qual a origem do material contrafeito e quem são os responsáveis pela sua comercialização.

PORMENORES

PSP PAGA ESTRAGOS

Se, durante uma busca domiciliária, a PSP errar o alvo e tiver provocado estragos como o arrombamento de uma porta, é a própria polícia que assume os custos de reparação dos danos.

DÓLARES AMERICANOS

Foram apreendidas quatro notas falsas, com um valor facial não revelado pelas autoridades. O CM sabe que duas das notas eram reproduções de dólares americanos e as restantes de euros.

CHEQUES FALSOS

Foram encontrados mais de cem cheques na casa de um dos detidos. Apesar da perfeição, veio a verificar-se que eram falsificados. A PSP quer encontrar a tipografia que os reproduziu.

NO TRIBUNAL

Os 14 detidos são esta manhã presentes ao Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa, para 1.º interrogatório judicial.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)