Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
3

CAÇADORES EM PÉ DE GUERRA

A Federação Portuguesa de Caça (Fencaça) promove domingo, em Santarém, o XII Encontro Nacional de Caçadores, esperando reunir 20.000 caçadores de todo o País para contestar a intervenção do Instituto de Conservação da Natureza (ICN) na área cinegética.
5 de Maio de 2004 às 00:00
Jacinto Amaro, presidente da direcção da Fencaça, diz que os caçadores estão dispostos a ir “até às últimas consequências” para conseguir que o ICN e a Secretaria de Estado do Ordenamento do Território desbloqueiem o decreto-lei da Caça que há um ano espera o seu acordo para ir a Conselho de Ministros.
Em causa está o carácter do parecer a emitir pelo ICN, que os caçadores pretendem que passe de vinculativo a facultativo, exigindo que a tutela da caça passe para o Ministério da Agricultura.
A Fencaça congrega cerca de 150.000 dos 250.000 caçadores com licença de caça existentes em Portugal.
Entretanto, ontem, o ministro da Agricultura, Sevinate Pinto, anunciou que rejeita um alargamento da lista de espécies a abater pelos caçadores, proposto pela Direcção-Geral dos Recursos Florestais para incluir o melro, gralha-preta, gaio e pega rabuda. “Do edital não constará que aquelas espécies poderão ser abatidas em actos de caça”, garantiu o ministro.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)