Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
5

Censura inibe tatuagens

"Quero fazer duas borboletas, mas tem de ser numa parte escondida do corpo porque o patrão não gosta”, diz Paula Martins, de 30 anos, que ontem veio de Setúbal ao Pavilhão Atlântico, em Lisboa, para o 5º Tattoo e Rock Festival. O evento, que termina amanhã, reúne dezenas de estúdios que fazem tatuagens a partir dos 30 euros. No total são 21 stands internacionais e 46 nacionais.
19 de Setembro de 2009 às 00:30
A entrada custa 5 euros
A entrada custa 5 euros FOTO: Bruno Colaço

A inibição de Paula é igual à de muitos, que desejam fazer uma tatuagem mas não a concretizam devido ao constrangimento social. “Em Portugal ainda há muito esse sentimento. Em Londres, por exemplo, quem trabalha num banco tem um ‘dress code’ que não inclui tatuagens. É natural ver-se alguém com chamas tatuadas a saírem do fato na zona do pescoço. Isso ainda é impensável no nosso país”, confirmou Américo Silva, da organização do 5º festival de tatuagens, que já tatuou de polícias e militares a empregadas de escritório.

Apesar das inibições, outros há que se sentem despidos se não mostrarem as tatuagens ou os piercings. É o caso de Pedro, do Porto, aprendiz de tatuador: “Vejo o corpo como uma tela. É um cliché, mas é mesmo assim. Sem elas e sem os piercings sinto-me nu. Devo ter gasto muito mais de 1000 euros em tatuagens. Já perdi a conta”.

Além da estética, é igualmente frequente fazer-se uma tatuagem pelo significado. “Quero uma que marque um acontecimento. No meu caso, a morte de uma pessoa”, contou Sofia, de 27 anos.

TELEVISÃO AJUDA AO NEGÓCIO

Os programas sobre tatuagens têm surgido um pouco por todo o lado. Por cabo, são vários os canais que abordam o assunto em jeito de documentário ou série. Miami Inc é, talvez, o mais conhecido. “Aceito que estes programas são um excelente empurrão ao nosso negócio. Não concordo com tudo o que se diz lá, mas ajudam a trazer mais pessoas ao mundo das tatuagens”, disse ao CM Orfeu, um dos muitos tatuadores presente no evento.

Quanto ao nível de execução dos portugueses, Orfeu não tem dúvidas. “Eles [do Miami Inc] são bons, mas em Portugal há melhores”, afirmou, reconhecendo porém que “cada um tem o seu estilo e o seu traço e, por isso, pode agradar mais a uns do que a outros”.

MATA-RATOS NO PALCO

Tatuagens e música pesada andam de mão dada. Daí o nome do festival: Tattoo e Rock. Pela segunda vez a actuar neste evento, os Mata-Ratos são uma das bandas míticas do metal português. Sobem hoje ao palco pelas 00h30, depois da actuação do Capitão Fantasma (23h30).

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)