Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
5

CIDADE ESPELHADA NOS CANAIS

Tornar o espaço urbano mais apetecível e funcional é o objectivo de todos os planos estratégicos que estão na base das sociedades Polis. Em Aveiro o desafio é entendido não só com uma atitude reformadora, mas, e essencialmente, como uma profunda intervenção nos mais enraizados hábitos.
4 de Agosto de 2003 às 00:00
A cidade de Aveiro modernizou-se muito nos últimos anos, mas fê-lo voltando as costas aos canais da Ria
A cidade de Aveiro modernizou-se muito nos últimos anos, mas fê-lo voltando as costas aos canais da Ria FOTO: Ventura Santos
"É estranho que uma cidade como Aveiro, apelidada até de 'Veneza de Portugal', faça tão pouco uso dos seus canais", constata Matos Rodrigues, gestor do Polis Aveiro. "A ideia-- base do plano desenhado foi sempre a de criar todas as condições para que as pessoas possam usar os cursos de água e principalmente todas as zonas envolventes, algumas muito degradadas", refere o mesmo responsável.
Um dos exemplos mais elucidativos é uma das "peças-chave" deste Polis, a zona da antiga Lota, um espaço abandonado entre canais, marinhas de sal e o núcleo urbano do bairro histórico da Beira-Mar. "O Polis nasceu para dar vida àquele local, mas fruto de uma visão mais estratégica, optou-se por alargar o plano a cinco pontos-âncora, que se interligam sempre através dos canais citadinos", salienta Matos Rodrigues.
A requalificação urbana, a criação de mais de 12 quilómetros de ciclopistas, a construção de novos acessos rodoviários e pedonais para renovadas zonas de uso público, são apenas algumas das muitas obras previstas e que já começam a revolucionar a cidade.
A organização do Euro'2004 em Aveiro "vai atrasar um pouco as obras, porque não podemos oferecer aos visitantes uma cidade-estaleiro. Os espaços públicos já deverão estar prontos, mas as grandes alterações rodoviárias ficam para depois do evento". No entanto, Matos Rodrigues diz que está em condições de apontar que "em finais de 2005 tudo o que é investimento público estará concluído.
No que toca a custos, o Polis Aveiro tem uma previsão de investimento a rondar os 114 milhões de euros. A recente notícia de que as sociedades tinham o IVA reduzido de 19 para 5 por cento veio ao encontro daquela que era a maior preocupação do gestor de Aveiro, só comparável com "os atrasos decorrentes dos pareceres técnicos". "Não podemos, e não vamos, fugir dos valores que estão definidos, pelo que qualquer constrangimento financeiro irá ter consequências na quantidade de obra que iremos produzir", salienta Matos Rodrigues.
MOBILIDADE
NOVA ALAMEDA
O fluxo de trânsito numa das principais entradas para o centro da cidade vai ser alterado. Está prevista a construção de uma nova alameda que ligará o nó Oeste do IP5 à zona da Universidade, fazendo daí a distribuição do trânsito. Haverá dois túneis subterrâneos e a rotundo do Marnoto dará lugar a um espaço pedonal.
NÓ DO IP5
Um dos ‘cavalos de batalha’ do Polis é a construção de um novo nó de acesso ao IP5, perto da Vitasal. O projecto ainda não tem aprovação do IEP, mas os gestores não desistem, até porque consideram que “é indispensável para diminuir o peso de tráfego no centro e para fazer a ligação aos novos espaços a criar pelo Polis”.
ESTACIONAMENTO
Vão ser criados mais de 1500 novos espaços, à superfície e subterrâneos, mas todos fora do centro. A ideia do Polis e da autarquia é habituar os aveirenses a encarar a mobilidade de outra forma, aproveitando os transportes públicos, os passeios pedonais e as ciclovias.
OS GRANDES PROJECTOS PARA MODERNIZAR AVEIRO APOSTAM NA RIA, NO LAZER E NA JUVENTUDE
CANAL DE S. ROQUE
O bairro da Beira-Mar vai ganhar uma dinâmica nova com a criação de mais três travessias sobre a Ria, uma rodoviária e duas pedonais (uma das quais é circular). Estas farão a ligação a um novo espaço público a construir entre o Canal de S. Roque e o IP5. Na faixa a qualificar haverá um jardim em linha, com ciclovias, um circuito de manutenção e espaço de estacionamento para cerca de 300 lugares. O projecto prevê ainda o prolongamento do Canal até um porto de abrigo para embarcações (ponte circular).
ANTIGA LOTA
O projecto que vai transformar a antiga Lota em espaço de lazer e de equipamentos hoteleiros e de restauração é considerado "o coração do Polis Aveiro". Começou por ser a única área de intervenção, mas a autarquia conseguiu estender a requalificação a uma importante área envolvente. Aqui vai nascer um hotel panorâmico, um conjunto habitacional de qualidade e um espaço de estacionamento dedicado a autocarros de excursão. A zona ficará fisicamente ligada ao Canal de S. Roque (língua de terra no meio da água). l
CENTRO DE LAZER
Os jovens são os primeiros beneficiados com as obras previstas para a zona do actual Terminal Tir-Tif. No meio das antigas marinhas, já abandonadas, nascerá uma pousada da juventude assente em estacas e, mesmo ao lado, uma praça multiusos, semelhante à Praça Sony no Parque das Nações. Para o local está também previsto um parque temático, preferencialmente o projecto Europa dos Pequenitos, da Fundação Bissaya Barreto. A ideia é cativar os jovens e dar-lhes um espaço com que se identifiquem.
MERCADO RENOVADO
As obras de recuperação do Mercado do Peixe, em pleno centro da Beira-Mar, estarão prontas em Setembro. Para além de um renovado espaço de venda, com equipamentos modernos e cumprindo todos os requisitos, o mercado aparece com um novo piso, onde funcionará um restaurante panorâmico, com vista sobre o Canal dos Botirões e a noctívaga Praça do Peixe. Depois da reconstrução dos canais, esta será a primeira obra Polis a estar pronta e será decerto mais um cartão de visita para a cidade dos canais (perfil de um mercado).
Ver comentários