Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
5

Cinco mil polícias recusam entrar em bairros problemáticos

Protesto nasceu em Odivelas e contesta a condenação de polícias por agressões na Cova da Moura.
Miguel Curado 31 de Maio de 2019 às 01:30
Aderentes do Movimento Zero recebem indicações para entrarem nos bairros problemáticos com reforço de proteção
PSP
PSP
PSP
Aderentes do Movimento Zero recebem indicações para entrarem nos bairros problemáticos com reforço de proteção
PSP
PSP
PSP
Aderentes do Movimento Zero recebem indicações para entrarem nos bairros problemáticos com reforço de proteção
PSP
PSP
PSP
Depois dos oitos agentes da PSP da Amadora terem sido condenados pelo Tribunal de Sintra, no passado dia 19, por sequestro e agressões a moradores da Cova da Moura e após o ex-vice presidente da ASPP, Manuel Morais, ter afirmado em público que há racismo na polícia, um movimento espontâneo surgiu na PSP.

Chama-se Movimento Zero, nasceu na esquadra de Odivelas e os cerca de cinco mil aderentes, todos polícias, garantem que só entram em bairros problemáticos se tiverem reforços.

Ao que o CM apurou, o rápido crescimento do Movimento Zero foi conseguido graças à troca de mensagens na aplicação de telemóvel Telegram.

Garantindo independência face aos sindicatos, os agentes começaram a pedir aos colegas que assumissem uma postura "educativa" nas fiscalizações rodoviárias e a estabelecimentos, furtando-se a autos.

O apelo principal, no entanto, passa por um cuidado maior com a segurança. Assim, aos agentes colocados em divisões responsáveis pelo patrulhamento de bairros problemáticos, está a ser pedido que não entrem nos mesmos sozinhos ou acompanhados apenas por um colega.

A ideia é intervir com o apoio de Equipas de Intervenção Rápida (EIR), unidades treinadas e equipadas para responderem a casos graves de desordem.

Carlos Torres, presidente do Sindicato Independente de Agentes da Polícia, diz "apoiar a iniciativa, apesar de ser extrassindical". "Não temos quem nos defenda", referiu.

Peixoto Rodrigues, presidente do Sindicato Unificado da PSP, considera que "a criação deste movimento "é expectável, face à revolta que a decisão do Tribunal de Sintra trouxe aos polícias".

Fonte oficial da PSP diz que esta força de segurança conhece o Movimento Zero "apenas pela comunicação social". "A PSP irá sempre defender os seus elementos, e as respetivas condições de trabalho", refere.

PORMENORES 
Comandante ameaça
Segundo Carlos Torres, presidente do SIAP, um comandante da PSP do Porto ameaçou os subordinados de que forçaria saídas, caso se mantenha a queda de autos e de detenções.

PSP desmente decréscimo
Fonte oficial da direção da PSP ouvida pelo CM, desmente a existência desse decréscimo de detidos ou de autos.

Integridade em causa
Em carta ao Chefe de Estado, Governo e Assembleia, os organizadores do Movimento Zero dizem sentir "a integridade institucional da PSP ameaçada."
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)