Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
3

Cliente dá sova a taxista

Um taxista da Praça da Estação de Aveiro foi violentamente agredido ontem, de madrugada, por um cliente que, após a corrida para Oliveira de Azeméis, se recusou a pagar a conta de 32 euros e 50 cêntimos. O agressor já foi entretanto identificado pela GNR, através de alguns sinais particulares relatados pela vítima, mas não foi detido, uma vez que o crime depende da formulação de uma queixa.
28 de Agosto de 2007 às 00:00
Na Praça de Táxis da estação de aveiro param cerca de 30 carros durante o dia, mas no turno da noite apenas um terço ali presta serviço
Na Praça de Táxis da estação de aveiro param cerca de 30 carros durante o dia, mas no turno da noite apenas um terço ali presta serviço FOTO: Ricardo Estudante
O taxista, João Manuel Marnoto, de 59 anos, foi sovado na face, acabando com o nariz partido e extensos hematomas. Ontem, ao final da tarde, ainda se encontrava em observação nos Hospitais da Universidade de Coimbra.
Ao que o CM apurou junto de fonte policial, o cliente terá entrado no táxi, na Estação da CP em Aveiro, por volta das 05h00, pedindo para ser levado a uma localidade perto de Loureiro (Oliveira de Azeméis). O transporte decorreu com normalidade até ao momento de fazer as contas.
Perante a recusa do cliente em pagar de pronto os 32 euros e 50 cêntimos, João Marnoto ainda propôs ir com ele a casa para “receber algum”, mas quando saiu do carro para o seguir foi agredido de forma violenta, caindo no chão. Momentos depois, a vítima conseguiu pedir auxílio através do telemóvel.
Segundo alguns taxistas da mesma praça, ouvidos pelo CM, a recusa de pagamento dos fretes “é mais ou menos comum”, mas raramente acaba com agressões. “O João deve ter reagido e isso é sempre pior, porque nunca se sabe quem temos pela frente”, salientava Ernesto Rodrigues, com 47 anos de experiência na profissão de taxista.
A vítima, que reside em Aveiro, conduz um carro de praça há cerca de ano e meio, trabalhando à percentagem e principalmente no turno da noite. De acordo com a mulher do taxista agredido, “esta é a segunda vez” que João Marnoto apanha sustos na noite, tendo já chegado a ser ameaçado com uma navalha ao pescoço.
TAXISTAS ACONSELHAM PRUDÊNCIA
Os colegas da praça de táxis onde trabalha João Marnoto são unânimes ao considerar que este tipo de agressões podem ser evitadas, seguindo algumas regras básicas. De acordo com Ernesto Rodrigues, que aos 70 anos ainda se recusa a largar o táxi, “o prejuízo de uma corrida é sempre preferível ao confronto com quem não quer pagar”. Apesar de trabalhar apenas no turno diurno, este taxista tem uma máxima que, garante, lhe tem evitado alguns dissabores: “Olhar para a cara do cliente e fazer uma avaliação. Se me cheirar a esturro recuso o serviço.” Os casos de assalto a taxistas em Aveiro “são raros”, o que, na opinião de Manuel Fernandes, que conduz o carro de praça há 23 anos, se deve ao facto de “ser uma cidade pacata e com pouca miséria”.
VIDEOVIGILÂNCIA EM OUTUBRO
A Associação Nacional dos Transportadores em Automóveis Ligeiros (ANTRAL) conta que em Outubro possam ser instalados os primeiros sistemas de videovigilância nos táxis, depois da aprovação da Assembleia da República em Julho último. Apesar dos equipamentos ainda não estarem disponíveis, a associação prevê que possam custar cerca de mil euros, a suportar integralmente pelos proprietários dos táxis. Segundo Florêncio Almeida, casos de agressão, seja por roubo ou por clientes que se recusam a pagar – como o que ontem se registou em Aveiro –, “podem ser mais facilmente resolvidos pela polícia com acesso a uma gravação do suspeito”. Apesar das gravações de vídeo só serem permitidas em caso de perigo – accionadas pelo taxista –, o responsável da ANTRAL acredita que “será um mecanismo importante na segurança dos motoristas” e mais eficaz do que os separadores que “convidam à violência”.
OUTROS CASOS
ATIRADO AO MAR
Um taxista de serviço na zona do Algarve foi assaltado por três indivíduos, atado pelas mãos e pés e atirado ao mar na Praia da Galé. O caso, ocorrido no final do mês passado, só não acabou em tragédia porque o motorista conseguiu livrar-se das amarras e nadar até à costa.
PISTOLA APONTADA
Durante um roubo, praticado por dois indivíduos de 21 e 23 anos, um taxista de Albufeira teve uma pistola e uma navalha apontada à cabeça. Os assaltantes levaram 50 euros e espancaram pouco antes da chegada das autoridades, alertadas por um colega da vítima.
ESPANCADO
Três jovens, entre os 17 e os 20 anos, roubaram e agrediram a murro e pontapé um motorista de táxi em Viseu, que momentos antes os tinha surpreendido a pontapear montras e portas de edifícios.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)