Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
1

Cocaína vinha para Portugal

Um empresário português do ramo das carnes, António dos Santos Dâmaso, foi preso pela Polícia Federal no Rio de Janeiro com duas toneladas de cocaína que, segundo as autoridades, se preparava para embarcar para Portugal. A droga estava escondida em carne congelada – entre as quais bucho e dobradinha – que iam ser exportadas legalmente para o nosso país. Fonte da PJ disse ao CM que já investigava a rede de tráfico e o empresário.
17 de Setembro de 2005 às 00:00
Só com o recurso a serras eléctricas é que a polícia conseguiu encontrar a droga
Só com o recurso a serras eléctricas é que a polícia conseguiu encontrar a droga FOTO: Alaor Filho/Agência Estado
A cocaína tinha na embalagem a marca ‘Capa Preta’ dos cartéis de Medellin, Colômbia, e a inscrição ‘100% pura’. Segundo a polícia federal, cada quilo da droga, comprada na Colômbia por quatro mil dólares, pode valer até 35 mil dólares em Portugal. Em cada peça de carne, num total de cinquenta toneladas, havia uma barra com dois quilos de cocaína prensada, colocada no meio da carne antes do congelamento.
Além do português, que a polícia brasileira disse à Imprensa ser o chefe da organização em Portugal – situação que a PJ não confirma – foram presos seis brasileiros, entre as quais José Pereira, que, segundo o inspector Roberto Prel, era o chefe da quadrilha no Brasil. A sua prisão provocou surpresa pois é dono de dois famosos restaurantes do Rio de Janeiro.
Para chegarem à droga, que estava num armazém frigorífico na zona norte do Rio, a polícia seguiu os passos dos traficantes durante um ano. A droga saía da Colômbia e entrava no Brasil mas não ia directamente para o Rio, passando pelo Paraná e São Paulo. Depois era embarcada de navio para Portugal.
Para movimentarem a droga sem suspeitas, os traficantes criaram uma empresa de exportação de alimentos, entre os quais carne congelada, para Portugal, a Agro-Pecuária da Bahia, Lda.
Além da cocaína, a Polícia Federal apreendeu uma grande quantidade de dinheiro na Barra da Tijuca, no apartamento de Pereira.
DINHEIRO EM CASA
Atrás de uma parede falsa do apartamento da Barra da Tijuca foi encontrado o que a polícia classifica como “uma montanha de dinheiro”. Até ao final da tarde de ontem já tinham sido contados 680 mil dólares, 48 mil euros e muitos reais.
HAXIXE DESEMBARCADO NO ALGARVE
Um homem de 29 anos, português, reagiu ontem de madrugada de forma violenta, após ter visto gorada a sua tentativa de fuga à PJ, que teve de efectuar vários disparos (sem consequências) após o suspeito ter abalroado uma viatura policial. No interior do veículo que conduzia, na zona do Patacão, Faro, foram encontrados 75 fardos de haxixe, que totalizam 2600 quilos, procedentes de Marrocos, supostamente desembarcados no Algarve e que seguiam para o Sul de Espanha.
“O indivíduo não estava armado mas reagiu de forma violenta e só desistiu da fuga quando foram feitos alguns disparos, que não causaram quaisquer danos” disse ao CM José Braz, director da Direcção Central de Investigação do Tráfico de Estupefacientes (DCITE).
A detenção ocorreu no culminar de uma operação realizada pela DCITE, com a colaboração das autoridades espanholas, na sequência de uma investigação que vinha sendo realizada há já algum tempo. “Este foi o momento considerado adequado para identificar o homem, que estará ligado a uma organização espanhola que transporta droga do Norte de África para a Europa, com entrada na Península Ibérica, e apreender o estupefaciente” assegurou José Braz.
O detido que, segundo a PJ, “não terá um papel relevante na organização, onde será apenas um mero transportador [a sua profissão é vendedor de produtos hoteleiros]”, foi ontem ouvido no Tribunal de Faro.
Ver comentários