Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
3

Colisão frontal faz três mortos

Três pessoas morreram ontem após uma colisão frontal entre duas viaturas num viaduto do IP3, em Fail, Viseu. Um dos carros saiu da estrada e caiu de uma altura de 20 metros para a Ribeira d’Azere. Os ocupantes, pai e filha, de 46 e 17 anos, residiam em Travassós de Baixo e foram encontrados sem vida pelos mergulhadores.
26 de Novembro de 2006 às 00:00
Neste carro seguiam cinco passageiros, entre eles uma mulher de 61 anos, que perdeu a vida. Na outra viatura seguiam pai e filha, que também morreram
Neste carro seguiam cinco passageiros, entre eles uma mulher de 61 anos, que perdeu a vida. Na outra viatura seguiam pai e filha, que também morreram FOTO: Paulo Novais, Lusa
O acidente aconteceu pelas 07h25. Na carrinha que ficou em cima da ponte, uma Volkswagen Passat branca, seguiam cinco familiares com destino a Lisboa. O condutor e a esposa ficaram em estado grave, os filhos (uma menina, de quatro anos, e o irmão, de nove) sofreram escoriações e a sogra faleceu. Delmira Nogaró Sousa, de 61 anos, era natural de Bragança.
A família reside no Bairro de Santa Eugénia, em Viseu. As crianças foram observadas na Urgência Pediátrica, mas não inspiravam cuidados. Quanto aos pais, entraram no bloco operatório logo de manhã e a meio da tarde foram transferidos para Coimbra. “Tinham lesões múltiplas, o prognóstico é reservado”, disse um porta-voz do Hospital de S. Teotónio.
No Renault Laguna cinzento que caiu à Ribeira d’Azere viajava Rafael Gomes Machado, um engenheiro de 46 anos residente em Travassós de Baixo, e a filha, Filipa, de 17 anos. Vinham de Coimbra, onde a jovem se encontrava a estudar, e estavam a 30 quilómetros de casa. De início, as autoridades admitiram a possibilidade de um bebé ter caído à água, pois havia uma cadeira de transporte de crianças no carro, mas o rumor não se confirmou.
A brutalidade da colisão mobilizou 15 veículos e 43 bombeiros das corporações de Viseu (voluntários e municipais), incluindo cinco mergulhadores. “É uma ribeira, mas tem correntes fortes e uma profundidade de dois metros”, disse o comandante Jorge Antunes, dos municipais.
Os mergulhadores prenderam cabos ao Renault Laguna, que foi puxado para a margem, a fim de permitir o resgate das vítimas. Os bombeiros precisaram de usar material de desencarceramento para retirar os corpos. O veículo foi rebocado para a estrada por um tractor agrícola.
Segundo Jorge Antunes, no local onde ocorreu a colisão “tem havido bastantes acidentes” devido à chuva e ao excesso de velocidade. Por outro lado, acrescentou, “o trânsito de camiões é intenso e o piso costuma estar gorduroso”.
Por ter havido mortes, a Brigada de Trânsito da GNR vai investigar o acidente de ontem e remeter as conclusões para o Ministério Público.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)