Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
2

COM 93 ANOS QUIS ABUSAR DE MENINA

Um idoso de 93 anos, residente em Alvor, vai aguardar em liberdade, com termo de identidade e residência, o desenrolar de um processo por alegado abuso sexual de uma criança de três anos. A decisão foi tomada ontem pelo Tribunal de Portimão, depois de uma denúncia da mãe da menor, o que levou à detenção do idoso, pela manhã, por elementos da Polícia Judiciária.
20 de Fevereiro de 2003 às 00:00
Segundo apurou o CM junto de residentes no Bairro Popular de Alvor, onde os factos se terão passado, desde há uns tempos era comentado nas conversas entre vizinhos que a mãe da criança contara ter encontrado o idoso com o sexo nas mãos da filha.

Em Janeiro deu entrada uma queixa na GNR de Portimão, apresentada pela mãe da criança, por alegados abusos sexuais e exibicionismo, com o Ministério Público, a quem chegou a denúncia, a ordenar, na sequência, a detenção do suspeito.
De acordo com várias fontes contactadas pelo nosso jornal, residentes em Alvor, a queixosa terá indicado como testemunhas três vizinhos, subsistindo, porém, dúvidas em relação à possibilidade de estes virem a comprovar os factos constantes na denúncia.

O idoso argumentou ontem não conhecer a criança nem a mãe, o que não corresponde à verdade, pois reside nas proximidades.

ÚLTIMA VEZ FOI AOS 78 ANOS

Agarrado a uma bengala, com dificuldades de locomoção e também de visão, em particular no olho esquerdo, o idoso de Alvor acusado de abuso sexual de uma menina de três anos chorou por vários momentos, durante o período em que permaneceu no Tribunal de Portimão, dizendo “não saber” quais os motivos que o levavam a estar ali.

Instado a pronunciar-se sobre a sua vida sexual, afirmou que “desde os 78 anos não estava com uma mulher e que já então as coisas não corriam como dantes”, assegurando que a partir daí “não aconteceu mais nada.”
A residir com um filho num bairro humilde de Alvor, o idoso tem notórios problemas de memória e por quatro ocasiões cumprimentou o advogado que o acompanhou, como se fosse a primeira vez que o via. Sofre também de problemas cardíacos, o que o leva a tomar vários medicamentos diariamente.

Em Alvor, as pessoas não afastam a possibilidade de um acto de exibicionismo, mas não acreditam na eventualidade de ter acontecido mais do que isso.
Ver comentários