Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
8

Comboio ateia fogo no Crato

Em Sines, as chamas estiveram próximas da refinaria e ameaçaram dezenas de casas.
9 de Agosto de 2013 às 01:00
Os mais de 350 bombeiros combateram fogos em eucaliptal, mato e montado
Os mais de 350 bombeiros combateram fogos em eucaliptal, mato e montado FOTO: Manuel Isaac

As faíscas provocadas pela passagem do comboio que ligava Badajoz (Espanha) ao Entroncamento terá ateado o fogo que consumiu ao início da tarde de ontem uma área de montado, pasto e eucaliptal ao longo da linha e estação do Crato, Portalegre.

Horas antes, em Sines, as chamas destruíram também uma zona de eucaliptal a um quilómetro da refinaria e ameaçaram dezenas de casas. Em ambos os incêndios, valeu a pronta intervenção dos bombeiros, que com auxílio de meios aéreos dominaram os fogos em poucas horas.

"Apostámos num ataque musculado. Com o auxílio do helicóptero e depois dos dois meios aéreos anfíbios foi possível dominar o incêndio", referiu Patrícia Gaspar, comandante Distrital de Operações de Socorro de Setúbal. O fogo em Sines teve início às 09h20 e lavrou durante cinco horas. Esteve bem perto das casas. "A minha está rodeada de mato. Vivo em perigo com a minha filha, genro e neto. Qualquer dia morremos queimados", frisa Francisco Guiomar.

Devido à previsão do aumento das temperaturas nas próximas horas, os bombeiros vão manter-se em ambos os locais em trabalhos de rescaldo.

O incêndio do Crato mobilizou 237 bombeiros e quatro meios aéreos. Em Sines, 122 e três aeronaves.

bombeiros fogo incêndio Crato Sines Alentejo
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)