Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
4

Conde visita viúva à noite na cadeia

O rei do jet set nacional, José Castelo Branco, fez-se valer da sua excentricidade para entrar na cadeia de Tires fora de horas e visitar a amiga Maria das Dores, em prisão preventiva por suspeita de ter mandado matar o marido – o empresário Paulo Cruz. A entrada do marchant fora do rígido horário normal das visitas além de contrariar as normas dos serviços prisionais é criticada por elementos da guarda prisional, pois “podia pôr em risco a segurança interna da cadeia”.
16 de Fevereiro de 2007 às 00:00
O ‘conde’ foi visitar Maria das Dores fora das horas normais
O ‘conde’ foi visitar Maria das Dores fora das horas normais FOTO: Arquivo CM
José Castelo Branco entrou na prisão de Tires cerca das 19h00 de terça-feira, já ao cair da noite. Foi recebido pela directora do estabelecimento, Fernanda Aragão, e pelo chefe dos guardas prisionais.
Ao seu estilo habitual, o ‘conde’ – como ficou conhecido após participar na ‘Quinta das Celebridades’ – entrou de forma extravagante na prisão e esteve à conversa com Maria das Dores.
“A minha preocupação era saber se ela estava bem e manifestar-lhe todo o meu apoio”, disse ontem José Castelo Branco ao CM. O socialite ficou satisfeito com o tratamento que está ser dado à sua amiga e elogia o comportamento dos guardas: “Ela é muito bem tratada pelos guardas, que são todos muito simpáticos.”
Quanto ao facto de Maria das Dores estar a ser alvo de chacota por ter pedido ajuda a uma companheira de cela, diz não ter tido essa a sua percepção. José Castelo Branco estava mais preocupado em inteirar-se do estado psicológico da amiga, mas assegura que ela não se queixou da eventual animosidade das outras reclusas durante o tempo em que estiveram juntos.
A detida, de 49 anos, tem beneficiado de tratamento especial desde que entrou no estabelecimento prisional. “Foi dispensada do habitual período de observação, como a generalidade das reclusas, e até tem direito a visitas excepcionais”, revelou uma fonte da guarda prisional.
Maria das Dores partilha a cela com mais duas detidas, ambas estrangeiras. É apontada pela PJ como mandante do homicídio do marido, o empresário Paulo Cruz.
MEDIATISMO ABRIU PORTAS
A visita de José Castelo Branco ao Estabelecimento Prisional de Tires (EPT) fora de horas foi autorizada pela directora da cadeia, “por se considerar que o visitante é uma figura mediática, o que poderia causar alguma agitação e destabilização na população reclusa”, informou a Direcção-geral dos Serviços Prisionais (DGSP).
O visitante esteve no estabelecimento entre as 18h00 e as 19h00 e conversou com Maria das Dores fora do pavilhão de reclusão.
ATRÁS DAS GRADES
ROTINA
A rotina das mulheres detidas em Tires começa às 08h15, com a abertura das celas. O recreio das reclusas funciona das 10h00 às 11h00 e das 14h00 às 15h30. O almoço é servido às 11h45 e o jantar às 17h45. As portas das celas são encerradas às 19h00.
REGIME
O Estabelecimento Prisional de Tires tem um regime de segurança misto (fechado e aberto). Situa-se no concelho de Cascais e, segundo dados da Direcção-geral dos Serviços Prisionais (DGSP), acolhe neste momento 633 reclusos. O corpo da guarda prisional é constituído por 160 elementos, havendo mais nove técnicos de reeducação.
TRIBUNAL DECIDE FUTURO DE CRIANÇA
O Tribunal de Família e Menores deverá decidir ainda hoje a retirada do filho mais novo – D., de 7 anos – a Maria das Dores, suspeita de ter encomendado a morte do seu marido, o empresário Paulo Cruz.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)