Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
1

Condenada a 5 anos de prisão por bater em bebés

Durante dois anos, Manuela Almeida agrediu bebés com palmadas, gritos e bofetadas. Juíza considera que educadora "levou às crianças terror e angústia" e condenou-a a prisão com pena suspensa.
24 de Março de 2014 às 15:54
Maria Manuela Almeida foi condenada a cinco anos com pena suspensa por maus tratos em creche
Maria Manuela Almeida foi condenada a cinco anos com pena suspensa por maus tratos em creche FOTO: Fátima Vilaça

"As suas atitudes levaram estas crianças a vivenciar um quotidiano de terror, de medo e angústia." As palavras, da juíza do Tribunal de Esposende, não mereceram ontem qualquer reação por parte da educadora de infância, de 50 anos, que foi condenada a cinco anos de cadeia, com pena suspensa, por maltratar bebés que tinha aos seus cuidados no centro infantil A Gaivota. Maria Manuela Almeida, que ao longo de dois anos deu bofetadas, palmadas e arrastou bebés na creche, fica ainda proibida de trabalhar com crianças até ao final da pena.

"Foi feita justiça, mas continua uma revolta e um vazio muito grande cá dentro", disse ao CM, visivelmente emocionado, o pai de uma das crianças maltratadas. Os bebés foram alvo de maus tratos ao longo de quase dois anos, desde que Maria Manuela Almeida, que era funcionária do centro infantil há 23 anos, assumiu a sala da creche, com crianças de um e dois anos.

De acordo com o tribunal – que valorou o depoimento de duas auxiliares que presenciaram e denunciaram os abusos –, a arguida chegava todos os dias maldisposta e "descarregava" nas crianças. "Gritava, berrava, ralhava e desferia palmadas nos pés e nas pernas das crianças e dava-lhes bofetadas", referiu a juíza na leitura da sentença.

A magistrada criticou a atitude da educadora de infância durante o julgamento, assumindo uma "atitude distante", limitando-se a "negar a prática dos factos", sem "um esgar de arrependimento ou redenção". O diretor do centro, Jorge Sousa, que depôs no julgamento, foi também duramente criticado pela juíza pela "conivência intolerável" com os maus tratos.

Os pais das crianças agredidas que se constituíram assistentes no processo não afastam a hipótese de demandar judicialmente a creche. "Ficou aqui provado que a direção da instituição sabia do que se passava", disse ao CM o pai de uma das crianças visadas.

Manuela Almeida não trabalha desde que estes maus tratos foram tornados públicos.

educadora cinco anos pena suspensa maus-tratos bebés
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)