Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
9

“Confessava-se uma vez por mês” (COM VÍDEO)

O povo de Durrães, Barcelos, disse ontem adeus ao "senhor regedor", aquele que era o homem mais velho de Portugal. António Fernandes Castro nasceu no século XIX, a 6 de Janeiro de 1898, viveu todo o século XX e morreu anteontem, com 111 anos, cinco meses e 16 dias. Maria Luiza Nunes da Silva é agora a pessoa mais velha, com 110 anos, de acordo com a lista do Grupo de Investigação Gerontológica.

24 de Junho de 2009 às 00:30
António Castro, o “senhor regedor”, com 111 anos, foi ontem a enterrar no cemitério paroquial de Durrães
António Castro, o “senhor regedor”, com 111 anos, foi ontem a enterrar no cemitério paroquial de Durrães FOTO: Gisela Caridade

Na missa de corpo presente, realizada ontem, ao final da tarde, na igreja paroquial de Durrães, o pároco José Lima falou de um homem "que seguiu a Cristo, que se confessava uma vez por mês e a quem Deus concedeu uma vida excepcionalmente longa".

"É uma perda ímpar para toda a comunidade, mas o nosso irmão sabia como poucos que só o corpo morre e que a alma continua viva em louvor a Deus Pai", disse o sacerdote perante uma assistência que enchia por completo o templo.

António Castro foi, ao longo de 33 anos, o homem-forte de Durrães. Como regedor, era ele que assegurava a segurança da terra. No tempo da racionalização dos alimentos, era ele que policiava a distribuição de pão.

António Castro foi também juiz de paz, com poderes para resolver pequenos conflitos, como conciliações em partilhas ou sortes de águas. O seu nome fica ligado à construção da primeira escola da terra.

Ver comentários