Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
2

Crime sobe nas cidades

No ano passado, a criminalidade aumentou nas duas principais cidades do Barlavento algarvio, com uma subida de quase nove por cento em Portimão e de cerca de quatro por cento em Lagos. Os furtos ou roubos em residências, a pessoas e em estabelecimentos comerciais foram os crimes que registaram maior agravamento.
2 de Fevereiro de 2008 às 00:30
Segundo dados a que o CM teve acesso, em Portimão foram registados 1287 furtos e roubos, enquanto no ano de 2006 haviam sido contabilizados 1176. É o pior registo dos últimos sete anos, embora a PSP tenha verificado no segundo semestre do ano passado uma descida na criminalidade, atingindo mesmo números inferiores a período idêntico de 2006.
Os tipos de crimes que mais subiram – em comparação com 2006 – foram os furtos ou roubos em residências e a pessoas, com valores superiores a 20%. Seguem-se crimes visando os estabelecimentos comerciais (cerca de 17%) e os roubos por esticão (mais de 10%). Pela positiva, realce para uma descida de quase 20% nos furtos no interior de veículos, enquanto o roubo de carros teve um ligeiro agravamento.
Portimão sofreu ainda um acréscimo de crimes na área da Polícia Marítima, que se cifrou em mais 7,5 por cento. Para isso contribuiu o aumento de furtos e roubos em residências e estabelecimentos comerciais, dado que o número de delitos nas praias foi igual ao de 2006.
Mas se na zona urbana a criminalidade registou uma subida significativa, na restante área do concelho a tendência foi inversa. Segundo apurámos, a GNR contabilizou no ano passado menos 17,9% de crimes do que em 2006.
Em Lagos, o Conselho Municipal de Segurança esteve reunido nesta semana para efectuar o balanço do ano de 2007. Júlio Barroso, presidente da autarquia, revelou ao CM que foi verificado “um aumento da criminalidade, embora não seja muito significativo se tivermos em conta que também tivemos mais turistas no ano passado”. O acréscimo total de crimes no concelho situou-se em redor dos quatro por cento comparativamente a 2006.
EDIS PEDEM MAIS POLÍCIAS
“Estes números demonstram a necessidade de reforço da vigilância por parte das forças de segurança, alargando patrulhamentos e aumentando o número de efectivos, de forma a acompanhar a própria dinâmica da cidade”, declarou ao CM o presidente da Câmara de Portimão, Manuel da Luz, que realçou a importância do sistema de videovigilância que a autarquia pretende implementar. O edil dispõe de dados que indicam que alguns crimes são praticados por indivíduos de fora, referenciados com o consumo de droga. Apesar de tudo, “existem estudos que indicam que a população se sente segura”. Por seu lado, o presidente da autarquia de Lagos, Júlio Barroso, lamentou “a diminuição de efectivos”, frisando a necessidade de essa situação ser invertida, até porque “há cada vez mais pessoas a viver no município e é fundamental garantir a segurança”.
GANGS FAZEM A DIFERENÇA
A actuação de dois gangs contribuiu para o aumento da criminalidade no ano passado, segundo foi explicado pelos representantes das diferentes polícias na reunião do Conselho Municipal de Segurança de Lagos, realizada na quinta-feira. Um dos grupos, oriundo da zona de Setúbal, dedicava-se ao roubo de viaturas, tendo sido desmantelado em meados do ano passado, e desde essa altura registou-se uma acalmia nesse tipo de crimes. O outro gang, que actua em vários pontos do País, é especializado em assaltos a perfumarias. Uma carrinha com produtos furtados de uma loja de Portimão chegou a ser interceptada nesta cidade mas ninguém foi detido. Em Lagos foi mesmo movida perseguição pela PSP a uma carrinha em que seguiam membros do grupo, que tinham efectuado um roubo. Os indivíduos acabariam por abandonar a viatura, pondo-se em fuga.
PORMENORES
DETENÇÕES
A PSP de Portimão efectuou no ano passado 328 detenções, das quais 134 se referem a cidadãos estrangeiros. A GNR ficou-se pelas 39 detenções.
VIDEOVIGILÂNCIA
A autarquia portimonense quer avançar no corrente ano com a instalação de cerca de duas dezenas de câmaras de videovigilância na Praia da Rocha. Posteriormente, o sistema deverá ser alargado à cidade.
ESQUADRA
Lagos vai dispor no próximo ano de uma nova esquadra da PSP. O novo edifício tem um custo de cerca de 900 mil euros, assegurando a autarquia boa parte da verba.
DESEMPREGO
O aumento do desemprego é tido como um dos factores que geram a subida dos crimes. Outro aspecto respeita à melhoria das acessibilidades, que facilita o surgimento de uma criminalidade supraconcelhia.
Ver comentários