Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal

Crime tem dois suspeitos

O triplo homicídio ocorrido anteontem nas Terras da Costa, Almada, tem dois suspeitos. António e Rosa Peralta (68 e 65 anos), e a filha Rosária (de 40), foram mortos, com tiros de caçadeira, no interior da casa da família. Uma hora depois da desoberta dos cadáveres, a GNR de Almada deteve o primeiro suspeito: Adílio Peralta, respectivamente filho e irmão das três vítimas. A Polícia Judiciária (PJ) de Setúbal investiga agora o possível envolvimento de João ‘Ginja’, companheiro de Rosária.
4 de Novembro de 2005 às 00:00
Os cadáveres de António Peralta, 68 anos, da mulher Rosa, 65, e da filha Rosária, 40, só foram retirados de casa, para o Instituto de Medicina Legal, pelas 02h30 de ontem– cinco horas após terem sido descobertos
Os cadáveres de António Peralta, 68 anos, da mulher Rosa, 65, e da filha Rosária, 40, só foram retirados de casa, para o Instituto de Medicina Legal, pelas 02h30 de ontem– cinco horas após terem sido descobertos FOTO: Gonçalo Oliveira
Durante todo o dia de ontem o suspeito, de 50 anos, foi ouvido pela PJ de Setúbal. Vários familiares das três vítimas prestaram igualmente depoimento que, ao que o CM apurou, convergem na acusação a João, devido a vários episódios de violência testemunhados durante os últimos anos.
Para além disso, João ‘Ginja’ entrou em contradição durante o depoimento que prestou à GNR, pouco depois da descoberta dos cadáveres. O suspeito garantiu ter estado com Rosária ao final da tarde de quarta-feira. No entanto, a essa hora, esta e os pais já estariam mortos.
João foi intimado a apresentar-se para interrogatório, ontem de manhã, na PJ de Setúbal. Até à hora de fecho desta edição, não foi possível apurar se ficou detido.
RELATO DO TERROR
Os três cadáveres foram descobertos por Tânia, a filha de 19 anos de Rosária Peralta, pouco depois das 20h30 de quarta-feira. No entanto, permanece a dúvida sobre a hora do crime. A PJ de Setúbal acredita que o crime ocorreu entre as 16h00 e as 17h00, facto que só a autópsia irá confirmar.
Segundo familiares contactados pelo CM, Tânia terá recebido um telefonema de João ‘Ginja’ pelas 19h00, que a incentivou a ir procurar a mãe. Pouco depois, um outro telefonema – desta vez da creche frequentada pela meia-irmã, Bruna – (ver caixa), informava a jovem de que a mãe não tinha ido buscar a menina.
Tânia dirigiu-se, apressada, a casa da mãe, anexa à habitação dos avós. Abriu a porta, e deparou-se com o cadáver da mãe, envolto numa poça de sangue. Em pânico, correu para casa dos avós, encontrando a porta trancada, e um grande silêncio. Tânia resolveu, então, partir os vidros da janela da casa para abrir a porta.
Metros à frente deparou-se com os cadáveres dos avós, também banhados em sangue. Assustada, Tânia alertou o namorado, filho de um militar da GNR. A informação foi logo comunicada à GNR de Almada, que chegou ao local pelas 21h00. Foram recebidos por João ‘Ginja’ que incriminou Adílio Peralta, filho e irmão das vítimas. Disse que tinha fugido num Citroen azul.
De imediato começa a busca pelo suspeito. A GNR procura Adílio na sua casa da Costa de Caparica. O suspeito acaba por ser detido pelas 21h45, depois de ter rondado de carro, várias vezes, a casa dos pais. Foi-lhe apreendida uma caçadeira. A PJ de Setúbal apreendeu, no local do crime, outra destas armas. Falta agora saber se alguma das duas foi a usada no crime, uma vez que na zona proliferam este tipo de armas.
JOÃO E ADÍLIO ANDAVAM EM 'GUERRA'
João ‘Ginja’, como é conhecido nas Terras da Costa, tem 50 anos, é agricultor, e proprietário de uma série de casas que arrenda. Apesar de casado, começou, há cerca de cinco anos, a envolver-se com Rosária Peralta, de 40 anos.
Da relação extra-conjugal nasceu Bruna, agora com cinco anos. Desde então, João e Adílio entraram em ‘guerra’, motivada por divergências na partilha dos bens. Uma tia de Rosária Peralta, que pediu anonimato, acredita que João pode ter culpas na tragédia de anteontem, que vitimou a sua irmã Rosa, o cunhado, António, e a sobrinha, Rosária. “Ele (João) era muito violento, batia na Rosária, e nos pais dela. Há queixas na GNR que o comprovam”, referiu.
Já Luísa Peralta, tia paterna de Rosária, recordou um episódio, entre João e Adílio, ocorrido há um ano: “Quando o ‘Dilinho’ estava na praia, na Costa de Caparica, disparou um tiro para o ar, depois de ter discutido com o João”.
PORMENORES
FAMÍLIA DESUNIDA
A família Peralta, nascida nas Terras da Costa, Almada, vive próxima mas não mantém uma relação unida. Todos se dedicam à agricultura e têm uma banca na Praça da Costa de Caparica, onde vendem legumes.
RELAÇÃO MAL VISTA
A união entre Rosária e João nunca foi bem vista. A vida dupla de ‘Ginja’, como era conhecido, era motivo de discussões em casa. Adílio e João entravam frequentemente em confrontos. Há várias queixas de violência doméstica na GNR, contra João.
DETIDO
Adílio Peralta trabalhava para a câmara municipal mas foi despedido há algumas semanas. Vivia com uma mulher com quem tem uma filha de dois anos. Tinha duas moradas: uma na Costa de Caparica, outra na Praia do Castelo. Ontem Adílio manteve a calma na PJ de Setúbal e negou sempre ter cometido o crime.
Ver comentários