Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
1

Deixem voar o Mantorras!

Mantorras, como lhe chamam, carinhosamente, os habitantes da aldeia de Chã, em Leiria, não é, afinal, um corvo. Pertence, de facto, à família dos corvídeos, mas é uma gralha preta.
5 de Setembro de 2005 às 00:00
Entregue pelo Instituto da Conservação da Natureza (ICN) ao cuidado do Centro de Recuperação de Animais Silvestres do Parque de Monsanto, em Lisboa, a ave é bem tratada e partilha com três da mesma espécie um espaço vedado no parque dos irrecuperáveis.
São considerados irrecuperáveis os animais selvagens tornados incapazes de viver na natureza após domesticação. É o caso de Mantorras. O futuro da ave ainda não foi traçado, mas admite-se que venha a integrar um programa de reprodução de gralhas em cativeiro. Mantorras desempenhará um papel fundamental na recuperação da sua espécie – “corvus corone” –, em grave regressão, o que lhe valeu o estatuto de “vulnerável”, atribuído pelo ICN.
Uma vez que a gralha não apresenta dimorfismo sexual – não há diferença física aparente entre sexos – seria necessário uma colheita de sangue para determinar se Mantorras é macho ou fêmea. Outra maneira de saber é incluí-lo no programa de reprodução e verificar que papel lhe atribuiu a natureza.
Os animais da sua espécie nidificam entre Março e Maio, quando quatro a seis ovos azul-esverdeados com manchas castanhas são incubados pela fêmea durante vinte dias. O ninho é em forma de taça, no topo de uma árvore.
AVE ESTÁ INOCENTE
Ao que tudo indica, quem acusou Mantorras da morte de uma galinha caluniou-o. Ana Maria Albuquerque, veterinária do centro de recuperação de Monsanto, não conhece o caso, mas sabe que “as gralhas são necrófagas”, ou seja, alimentam-se de carne morta. O mais provável é estar a galinha já cadáver quando Mantorras lhe deitou as garras, no caso de isso ter acontecido.
As gralhas que vivem em Monsanto são alimentadas com carne de frango. “Elas escondem-na e só a comem quando está em putrefacção”, assinala Ana Maria Albuquerque. Uma das razões do declínio da população de gralhas prende-se, de resto, com a necrofagia: os animais mortos foram, muitas vezes, envenenados e trazem a morte aos que se alimentam deles.
Como preferem as zonas montanhosas, as aves da espécie de Mantorras predominam no Norte do País, bem como em zonas costeiras. Reagem com curiosidade à presença humana e, por isso, são alvo fácil de tentativas de domesticação. São contudo animais selvagens e, neste caso, a maior prova da amor é não as confinar e dar-lhes liberdade.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)