Despacho de juiz irrita a defesa

O engenheiro Ferreira da Silva, que matou o ex- genro, Cláudio Mendes, no parque da Mamarrosa, em Oliveira do Bairro, em Fevereiro de 2011, pode ser condenado por homicídio qualificado atípico.
10.11.12
  • partilhe
  • 0
  • +
Despacho de juiz irrita a defesa
Engenheiro Ferreira da Silva foi pronunciado por homicídio qualificado do ex-genro, Cláudio Mendes Foto Eduardo Martins

Surpreendendo a defesa de Ferreira da Silva, pronunciado pelo crime de homicídio qualificado, o juiz Jorge Bispo, que preside ao tribunal de júri, sustentou ontem em despacho que pretende precaver a possibilidade de vir a ser esse o entendimento do tribunal.

Desta forma, o engenheiro poderá ser punido com a moldura de homicídio qualificado, mesmo não se verificando as circunstâncias padrão que definem o crime no Código Penal.

"O teor do despacho é extremamente gravoso para o arguido", referiu Celso Cruzeiro, advogado de Ferreira da Silva. O causídico considerou que se trata de uma questão jurídica complexa e por isso requereu 20 dias para preparar a defesa. O Tribunal de Anadia deu-lhe apenas três e manteve a data das alegações finais para o dia 14.

Também ontem, Mariza Rodrigues, amiga da juíza Ana Joaquina, filha do arguido, afirmou que era aquela que marcava as visitas de Cláudio à filha, mas era Ferreira da Silva quem transmitia as decisões ao advogado assassinado.

pub

pub

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!