Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
5

Diretor-nacional diz que há um ano existiam todas as armas

Desapareceram 50 armas do depósito na Direção Nacional da PSP, na Penha de França, em Lisboa.
Miguel Curado 17 de Fevereiro de 2017 às 21:09
Luís Farinha
Luís Farinha FOTO: Ricardo Rocha

O diretor-nacional da PSP, Luís Farinha, disse hoje a dirigentes dos 14 sindicatos da Polícia que o último inventário feito ao depósito de armamento existente na direcção-nacional desta força de segurança, na Penha de França, ocorreu há um ano, e que todas as armas foram encontradas.

Reagindo à investigação interna, e ao inquérito-crime aberto após queixa da própria PSP relativamente ao furto de 50 pistolas Glock 19, calibre 9 milímetros, do armeiro da Direção-Nacional, o líder máximo da PSP pôs os sindicalistas a par das investigações, adiantando que já foram recuperadas um total de 4 armas desviadas. A primeira, tal como o noticia hoje o Correio da Manhã, numa operação realizada por uma Equipa de Intervenção Rápida na zona de Massarelos, no Porto, e que foi encontrada nas mãos de traficantes de droga, e as outras três mais recentemente em Ceuta, possessão espanhola em Marrocos.

Estas armas tinham o número de série rasurado, o que indicia que possam ter passado pelas mãos de redes de tráfico internacional.

Aos dirigentes sindicais, Luís Farinha assegurou ainda que está disponível para punir todos os responsáveis policiais (agentes, chefes e oficiais), cuja responsabilidade no furto das armas seja apurada em sede de inquérito-crime e de processo disciplinar.

A reunião, que durou cerca de cinco horas, serviu ainda para que o diretor-nacional da PSP garantisse que, por sua iniciativa, nenhuma esquadra policial fechará este ano (incluindo também a 5.ª Divisão da PSP de Lisboa), acrescentando que a Polícia tem em curso um plano de recuperação de edifícios policiais.

Luís Farinha, por fim, disse que irá propor à Ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, a abertura de um concurso de promoção para 200 chefes, e para 1500 agentes principais, ainda durante o corrente ano.

O diretor quer ainda ver possibilitada a admissão de mais 800 agentes na PSP, já em 2017. 

Luís Farinha Polícia PSP armas diretor-nacional
Ver comentários