Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
7

Diretora de lar amarra e sequestra jovens

Vânia Pereira, de 36 anos, responde esta segunda-feira no Tribunal de Évora por 24 crimes.
Alexandre M. Silva 3 de Outubro de 2016 às 01:45
Vânia Pereira, de 36 anos, responde esta segunda-feira no Tribunal de Évora por 24 crimes.
A ex-diretora do lar Nossa Senhora de Fátima, em Reguengos de Monsaraz, começa hoje a responder, no Tribunal de Évora, pelos 24 crimes de que é acusada - 11 de abuso sexual de menor, sete de maus-tratos, três de sequestro e outros três de peculato. No banco dos réus vão ainda sentar-se seis funcionários da instituição, propriedade da Santa casa da Misericórdia de Reguengos, e o provedor.

A principal arguida, Vânia Pereira, de 36 anos, foi detida em abril de 2015. Os crimes, segundo a acusação do DIAP de Évora, decorreram entre 2008 e 2014.

Durante esses anos, os menores institucionalizados viveram anos de terror entre as quatro paredes do lar. Muitas das crianças foram algemadas a móveis, amarradas com lençóis, trancadas na despensa sem alimentação e obrigadas a urinar para o chão ou para um copo. Um jovem que em 2009 tinha apenas 14 anos foi abusado sexualmente pela diretora. A impunidade para com este menor, segundo a acusação, agravou os episódios de violência na instituição. "Chegou a queimar outras crianças com cigarros", refere a acusação. Segundo o DIAP, Vânia Pereira "dava dinheiro para que ele comprasse tabaco, oferecia-lhe telemóveis, levava-o à praia e de férias e manteve um relacionamento íntimo com o mesmo".

A diretora está proibida de contactar com os menores e de entrar no concelho de Reguengos. O lar acabou por fechar portas em maio de 2015. Na altura, as 24 crianças e jovens em risco que viviam nesta instituição foram transferidos para outros lares do País.
Reguengos de Monsaraz Tribunal de Évora Vânia Pereira DIAP Évora grupos populacionais
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)