Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
7

Dívidas às farmácias pagas ao banco

As farmácias vão vender a um banco a dívida do Estado relativa à comparticipação dos medicamentos. Uma reacção à anunciada pretensão do ministro da Saúde, Correia de Campos, em denunciar o acordo com a Associação Nacional das Farmácias (ANF).
29 de Novembro de 2005 às 00:00
 Farmácias não desarmam
Farmácias não desarmam FOTO: Rita Rodrigues
João Cordeiro, presidente da ANF, afirmou ao CM desconhecer qual a intenção de Correia de Campos em denunciar no primeiro semestre de 2006 o acordo com as farmácias, em vigor até Dezembro desse ano.
“Não sei qual o objectivo do ministro, mas assumirá as responsabilidades”, afirmou João Cordeiro, que se escusou a confirmar a notícia ontem veiculada pelo ‘Diário Económico’. “Não vou vender nada”. A dívida do Estado às farmácias é, disse, “residual”.
Fonte do gabinete de Correia de Campos sublinhou ao CM que a denúncia do acordo será feita “dentro dos prazos legais”, inviabilizando o pagamento de indemnizações e a renegociação do acordo com as farmácias visa “acabar a intermediação da ANF”.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)