Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
5

DOENTE AGREDIDA

Entrou no centro de saúde da Flamenga, Loures, para ser medicada. Mas saiu com escoriações no pescoço e no braço. ‘Maria’, nome fictício, queixa-se de ter sido agredida pelo próprio segurança do centro, depois de uma conversa acesa com uma das funcionárias.
25 de Agosto de 2004 às 00:00
Na passada semana ‘Maria’, 63 anos, foi ao centro de saúde, em Santo António dos Cavaleiros, para uma consulta. Mas foi-lhe comunicado, a ela e aos restantes doentes, que o médico não viria e que teria de marcar uma outra consulta. Na tentativa de manter uma marcação para o dia 24, ‘Maria’ e a funcionária exaltaram-se, levando à intervenção do segurança, da empresa Prestibel.
Só que, segundo ‘Maria’, o “jovem partiu para a agressão”. “Disse-lhe para se afastar, mas ele agarrou-me e apertou-me o pescoço. Ainda o ameacei com o chapéu de chuva”, explicou ao Correio da Manhã.
A chamada de atenção não terminou por aqui. Quando a doente pediu a identificação ao segurança ele não retirou o cartão do peito. Impossibilitado de o ver, ‘Maria’ puxou- o. Foi então que o segurança “num autêntico golpe de artes marciais” lhe terá apertado o pescoço pelas costas e agarrado no braço. Pela segunda vez, os presentes no local tiveram que separar a briga.
Ao CM, o segurança garantiu não ter feito “nada de mal”, caso contrário “não continuava de serviço”. Já Ana Maria Casqueiro, uma das responsáveis da Prestibel, remeteu-se ao silêncio até uma decisão judicial. O CM tentou uma resposta da Administração Regional de Saúde, mas ela não nos foi dada até ao fecho da edição.
CONSULTA GERA TENSÃO
‘Maria’ sofre de uma depressão há cerca de oito anos, quando o filho morreu. Desde então vai frequentemente ao centro de saúde para ser medicada. Na origem da discussão com a funcionária estará a marcação de duas consultas “Como tinha um raio-x para mostrar marquei uma consulta para o dia 18 e outra para o dia 24, temendo que o exame não estivesse pronto a tempo”, contou ao CM. Só que a funcionária admitiu ter errado, justificando não poder marcar duas consultas ao mesmo tempo. Não lhe deu a hipótese de manter a segunda marcação. A doente apresentou queixa na PSP.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)