Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
7

Dois médicos condenados a pena suspensa por homicídio negligente em Chaves

Clínicos subavaliaram a situação do menor que era grave.
Lusa 11 de Janeiro de 2019 às 17:57
Tribunal de Chaves
Julgamento de autarcas de Boticas decorre no Tribunal de Chaves
Médicos
Tribunal de Chaves
Julgamento de autarcas de Boticas decorre no Tribunal de Chaves
Médicos
Tribunal de Chaves
Julgamento de autarcas de Boticas decorre no Tribunal de Chaves
Médicos
O Tribunal de Chaves condenou esta sexta-feira um pediatra a três anos de pena suspensa e um cirurgião a um ano de pena suspensa pelo crime de homicídio por negligência grosseira de uma criança, um caso que remonta a 2010.

A juíza do tribunal singular de Chaves condenou os dois médicos pelo crime que estavam acusados pelo Ministério Público, considerando que os clínicos subavaliaram a situação do menor que era grave.

Os factos em causa remontam a 20 de agosto de 2010, quando a vítima, então com 13 anos, recorreu aos serviços de urgência da unidade de Chaves do Centro Hospitalar de Trás-os-Montes e Alto Douro (CMTMAD), levada por seus pais, com queixas de fortes dores de barriga generalizadas e de vómitos frequentes.

A criança veio a morrer dois dias depois, como consequência de lesões de perfuração do duodeno derivadas de úlcera duodenal.

O pediatra que acompanhou o caso desde a entrada da criança na urgência foi condenado a três anos de pena suspensa.

Segundo a juíza, este médico teve uma "postura meramente contemplativa" ao evoluir da situação, perante um quadro em que a criança manifestava muitas dores abdominais, um quadro clínico que se foi agravando.

O outro arguido, um cirurgião entretanto reformado, foi chamado pelo pediatra para uma segunda opinião sobre o caso e foi condenado a uma pena suspensa de um ano.

A magistrada considerou a atuação dos dois clínicos distinta, mas referiu que o cirurgião também violou os seus deveres, que se deveria ter inteirado da situação e que considerou que o caso não era para cirurgia.

A juíza disse que a situação do menor merecia mais investigação e que perante a persistência e agravamento do quadro clínico, deveria ter sido feita outra avaliação e outros exames.

Referiu ainda que houve "superficialidade na avaliação clínica" da criança, que acabou por ser transferida para o Porto, tendo morrido na ambulância, a caminho do hospital.

A juíza referiu que se tratou de um episódio "infeliz, trágico mas único" e perante a falta de antecedentes criminal, e a inserção dos arguidos na sociedade, considerou que a pena suspensa é a mais adequada.

A pena máxima aplicada nestes casos é de cinco anos, pelo que o julgamento decorreu num tribunal singular.

Os dois médicos foram acusados em 2015, cinco anos após a morte da criança, e, em 2017, um juiz de instrução de Chaves mandou o processo para julgamento.

Na sala de audiências esteve apenas presente o pediatra que, à saída do tribunal, se recusou a prestar declarações à comunicação social.

A mãe do menor, Adosinda Pereira, afirmou que foi feita a "justiça possível", apesar de defender a prisão efetiva para os médicos.

Em paralelo está a decorrer um outro processo relacionado com um pedido de indemnização, no Tribunal Administrativo e Fiscal de Mirandela, que está dependente do resultado deste julgamento.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)