Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
7

Dois militares feridos a salvar idosa do fogo em Cascais

Elementos da GNR arrombaram porta mas só conseguiram retirar a vítima por uma janela com a ajuda de moradores.
João Tavares 5 de Janeiro de 2019 às 09:47
Militares da GNR entre os seis feridos em incêndio em Cascais
Militares da GNR entre os seis feridos em incêndio em Cascais
Militares da GNR entre os seis feridos em incêndio em Cascais
Militares da GNR entre os seis feridos em incêndio em Cascais
Militares da GNR entre os seis feridos em incêndio em Cascais
Militares da GNR entre os seis feridos em incêndio em Cascais
Militares da GNR entre os seis feridos em incêndio em Cascais
Militares da GNR entre os seis feridos em incêndio em Cascais
Militares da GNR entre os seis feridos em incêndio em Cascais
Quando o sargento-ajudante Rodrigues, de 40 anos, e o guarda Pereira, de 33, chegaram ao nº 199 da avenida do Ultramar, na Amoreira, em Cascais, depararam-se com fumo a sair de uma cave.

Vários moradores já tentavam encontrar forma de retirar do interior uma mulher de 78 anos. Os militares dirigiram-se à porta e arrombaram-na com dois pontapés. Só que o calor e o fumo impediram-nos de retirar a moradora. Só foi salva através de uma janela das traseiras.

Seis pessoas ficaram feridas: a dona da casa, três militares da GNR de Alcabideche, uma mulher e o filho de 12 anos. Todos por inalação de fumos.

A porta trancada e a existência de grades em várias janelas terão impedido a vítima, Manuela, de deixar a cave onde morava ao aperceber-se das chamas e do acumular do fumo, após um incêndio ter deflagrado cerca das 13h20 de ontem. Os vizinhos da idosa deram o alerta e de imediato tentaram socorrer a vítima.

Impedidos de entrar na cave pela porta da frente, a GNR e os moradores dirigiram-se a uma janela das traseiras. Com a força de braços, o sargento-ajudante foi içado até à janela já partida da divisão onde se encontrava a idosa.

O militar entrou e confortou a vítima, mantendo-se na companhia desta, até que chegaram os bombeiros de Alcabideche e foi por ali içada uma escada. No interior da casa ficou o cão morto da idosa.

Apesar das queimaduras visíveis, a mulher recusava-se a ir ao hospital. Foi assistida pelos bombeiros – que combateram ainda as chamas –, pela equipa médica do INEM, o mesmo acontecendo ainda com outras cinco pessoas: os dois militares da GNR que participaram no socorro da vítima e uma mãe e filho que moram no 3º piso.

Um outro militar da GNR foi assistido a uma contratura cervical. Todos os feridos foram transportados para o hospital. Um aquecedor pode ter estado na origem do incêndio urbano.

PORMENORES 
Martelo para partir vidros
Moradores que tentaram socorrer a vítima usaram um martelo para partir os vidros da cave, de maneira que o fumo saísse.

Casas danificadas
A acumulação de fumo nas escadas do prédio e o combate do incêndio com água por parte dos bombeiros acabaram por causar danos em várias casas do prédio.

20 operacionais no local
Militares da GNR e bombeiros de Alcabideche, INEM e Proteção Civil estiveram ontem no local do incêndio, num total de 20 operacionais e nove viaturas.
Ver comentários