Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal

DOIS MORTOS NA COSTA

Uma mulher e um homem morreram, ontem, vítimas de afogamento em praias da Caparica. A primeira vítima, socorrida no local por populares e pelos bombeiros Voluntários de Cacilhas, faleceu no Hospital Garcia de Orta, em Almada, enquanto o jovem esteve desaparecido duas horas e meia e o seu corpo só foi recuperado graças à intervenção nas buscas de um helicóptero da Força Aérea.
19 de Junho de 2003 às 00:00
Elementos dos Bombeiros de Cacilhas recolheram um dos corpos da água e transportaram-no para a morgue do Hospital Garcia de Orta, em Almada
Elementos dos Bombeiros de Cacilhas recolheram um dos corpos da água e transportaram-no para a morgue do Hospital Garcia de Orta, em Almada FOTO: Jorge Paula
Às 13h50, na praia da Rainha, Maria Cidália, de 46 anos, entrou sozinha na água e foram alguns populares que, apercebendo-se dos seus gestos de desespero, correram a socorrê-la, dado que aquela zona não dispõe de nadadores-salvadores, por não estar concessionada.
As autoridades foram avisadas, tendo comparecido no local elementos dos Bombeiros Voluntários de Cacilhas - que transportaram a vítima ao Hospital Garcia de Orta, onde faleceu - e da Polícia Marítima.
Horas depois, na praia da Sereia, o mar fazia mais uma vítima mortal. João Santos, de 24 anos, nadava acompanhado de três amigos, quando, pelas 16h30, às águas o separaram do grupo e fizeram desaparecer o seu corpo. Os amigos correram a avisar o nadador-salvador, que ainda tentou localizar o corpo, enquanto eram chamados ao local os Bombeiros de Cacilhas e a Polícia Marítima.
"Ele foi apanhado em cima de um agueiro [fluxo de corrente mais forte] e se não teve calma para se deixar arrastar e só depois reagir, vai ser muito difícil voltar com vida", afirmava ao CM um nadador-salvador numa altura em que ainda decorriam as buscas. "Este ano o mar está muito traiçoeiro na Costa. Tem muitas armadilhas e todo o cuidado é pouco", comentou, acentuando o facto de em 2001 não se terem registado mortes na Caparica, enquanto em 2002 houve três, fora da época balnear.
Durante mais de duas horas, seis bombeiros e quatro elementos da Polícia Marítima, com o auxílio de um barco, uma embarcação semi-rígida, uma moto de água e mais duas semi-rígidas de concessionários, realizaram uma busca ao longo da costa, no sentido da Fonte da Telha, dado que a maré estava a vazar.
Mas seria um helicóptero da Força Aérea a ter acção determinante, pelas 19h15, quando, graças a um sonar, detectou e sinalizou, mais de 500 metros a sul do local onde tinha desaparecido, o corpo de João Santos, que os bombeiros retiraram da água e, posteriormente, transportaram para a morgue do Garcia de Orta.
Incrédulos, os amigos da vítima não queriam acreditar que o corpo do seu amigo jazia dentro daquele saco branco. E quando o jipe dos bombeiros partiu, uns foram a correr atrás dele e outros ajoelharam-se na praia, a chorar. "Mas como é que isto aconteceu?", questionou um dos amigos da vítima.
ACIDENTE FERE BOMBEIROS
Dois elementos dos Bombeiros Voluntários de Cacilhas ficaram ontem, pelas 16h45, feridos na sequência de um acidente, na Estrada Florestal que liga a Costa de Caparica à Fonte da Telha, quando seguiam numa ambulância com destino à praia da Sereia, para socorrer o jovem afogado.
Um motorista e um maqueiro, únicas vítimas do sinistro, foram transportados ao Hospital Garcia de Orta, em Almada, onde foram assistidos.
"A nossa ambulância, que vinha a sinalizar a marcha, para se desviar de uma carrinha branca - não temos mais dados porque o condutor fugiu do local -, que saía do caminho de acesso ao Parque de Campismo do Piedense, teve de desviar-se para a esquerda, apanhou areia e depois de embater num muro capotou em cima de outro carro que estava parado", contou no local ao CM o comandante dos Bombeiros de Cacilhas, Clemente Mitra, preocupado com o estado de saúde do jovem maqueiro.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)