Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal

Drones ajudam a fazer rescaldo de incêndio em Monchique

Foi usado um drone do Serviço de Proteção Civil de Portimão e outro da GNR.
José Carlos Eusébio e Rui Pando Gomes 14 de Junho de 2019 às 09:21
Bombeiros usaram dois drones para obter imagens em tempo real de áreas de difícil acesso para evitar reacendimentos
Bombeiros usaram dois drones para obter imagens em tempo real de áreas de difícil acesso para evitar reacendimentos
Bombeiros usaram dois drones para obter imagens em tempo real de áreas de difícil acesso para evitar reacendimentos
Bombeiros usaram dois drones para obter imagens em tempo real de áreas de difícil acesso para evitar reacendimentos
Bombeiros usaram dois drones para obter imagens em tempo real de áreas de difícil acesso para evitar reacendimentos
Bombeiros usaram dois drones para obter imagens em tempo real de áreas de difícil acesso para evitar reacendimentos
Bombeiros usaram dois drones para obter imagens em tempo real de áreas de difícil acesso para evitar reacendimentos
Bombeiros usaram dois drones para obter imagens em tempo real de áreas de difícil acesso para evitar reacendimentos
Bombeiros usaram dois drones para obter imagens em tempo real de áreas de difícil acesso para evitar reacendimentos
Bombeiros usaram dois drones para obter imagens em tempo real de áreas de difícil acesso para evitar reacendimentos
Bombeiros usaram dois drones para obter imagens em tempo real de áreas de difícil acesso para evitar reacendimentos
Bombeiros usaram dois drones para obter imagens em tempo real de áreas de difícil acesso para evitar reacendimentos
Os bombeiros efetuaram esta quinta-feira operações de vigilância e consolidação da extinção na área atingida pelo fogo, na passada quarta-feira, na serra de Monchique.

Neste incêndio foram usados, pela primeira vez no Algarve, drones para ajudar os bombeiros.

O comandante dos Bombeiros de Monchique, Rui Lopes, revela ao CM que foram utilizados "um drone do Serviço de Proteção Civil de Portimão e outro da GNR".

O recurso a estes novos equipamentos aconteceu "já depois do incêndio ter sido dominado, durante as operações de rescaldo".

Através dos drones, foi possível obter imagens em tempo real de áreas de difícil acesso, detetar fontes de calor e os locais mais críticos em termos de possíveis reacendimentos.

"É uma ferramenta muito útil que pode ser usada não só nos incêndio, como noutro tipo de operações, como os resgastes", salienta o comandante dos Bombeiros de Monchique.

Para o incêndio que lavrou em Chã da Casinha - uma das zonas mais críticas da serra de Monchique, na freguesia de Marmelete - chegaram a estar mobilizados 271 operacionais e 10 meios aéreos, que conseguiram dominar as chamas em menos de quatro horas.

Apesar de extinto, os bombeiros mantiveram um contingente no terreno para evitar reacendimentos.

Este fogo assustou a população de Monchique, concelho que, em agosto do ano passado, foi palco do maior incêndio registado na Europa nesse ano.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)