Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
7

“Ele percebeu ser um monstro”

"Talvez tenha percebido o monstro que era ao roubar a uma criança que não sabe quanto tempo tem de vida." O desabafo é de Ana Terceiro, mãe de Dinis, ao saber que o homem que se fez passar na internet pelos pais da criança com uma doença rara, para ganhar dinheiro, foi no domingo encontrado enforcado, cinco dias após ter sido detido pela PJ.
17 de Novembro de 2009 às 00:30
A mãe do pequeno Dinis preferia que o burlão tivesse pago os roubos em tribunal
A mãe do pequeno Dinis preferia que o burlão tivesse pago os roubos em tribunal FOTO: Bruno Colaço

Joaquim Mendes, que ficou em liberdade, não terá aguentado a condenação pública na sua terra Natal, em Montemor-o-Novo.

A mãe de Dinis, de 20 meses e que sofre de leucoencefalopatia, calcificações e quistos cerebrais, "lamenta" o desfecho e recusa receber dinheiro da conta do burlão. "Não desejo a morte a ninguém. Preferia que estivesse vivo para confrontá-lo em tribunal e para que pagasse às pessoas que enganou", disse.

O burlão de 32 anos, que em criança ficou sem o pai – também por suicídio –, viu a notícia no CM sobre o bebé. Criou um e-mail para uma onda de solidariedade com o número da sua conta. A trama foi descoberta pela mãe de Dinis.

Segundo a GNR, o Joaquim desapareceu na sexta. Foi encontrado numa árvore na albufeira do Raimundo. Subiu para a forca por uma das bilhas de gás que distribuía.

O caso surpreendeu Montemor. Joaquim, que frequentou unidades de ensino especial, era conhecido por ser pouco sociável.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)