Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
4

Elevador desaba e mata dois pintores numa queda de 15 metros em Almada

Bombeiros adiantaram que o bailéu estava “mal montado”.
Ana Botto 7 de Abril de 2021 às 01:30
Famílias das vítimas ficaram em choque
Dois homens morrem em queda de andaime em Almada
Dois homens morrem em queda de andaime em Almada
Dois homens morrem em queda de andaime em Almada
Dois homens morrem em queda de andaime em Almada
Dois homens morrem em queda de andaime em Almada
Famílias das vítimas ficaram em choque
Dois homens morrem em queda de andaime em Almada
Dois homens morrem em queda de andaime em Almada
Dois homens morrem em queda de andaime em Almada
Dois homens morrem em queda de andaime em Almada
Dois homens morrem em queda de andaime em Almada
Famílias das vítimas ficaram em choque
Dois homens morrem em queda de andaime em Almada
Dois homens morrem em queda de andaime em Almada
Dois homens morrem em queda de andaime em Almada
Dois homens morrem em queda de andaime em Almada
Dois homens morrem em queda de andaime em Almada
A queda de um elevador suspenso (bailéu) arrastou esta terça-feira dois operários para a morte. As vítimas tinham entre 40 e 50 anos e faziam trabalhos de pintura no exterior de um prédio na rua D. Francisco de Almeida, no Feijó, Almada. Estavam a uma altura de 15 metros quando a estrutura cedeu.

Os Bombeiros de Cacilhas localizaram os corpos no meio dos destroços, no exterior do prédio. Para Jorge Paulo, 2º comandante dos Bombeiros de Cacilhas, não há dúvidas de que a estrutura foi instalada de forma incorreta: “Assim que chegámos ao local, reparámos que o bailéu, derivado ao seu ponto de ancoragem, desprendeu-se da cobertura. A estrutura estava mal montada e como tal cedeu e veio cá parar a abaixo”.

Os corpos foram transportados para a morgue do Hospital Garcia de Orta. A Autoridade para as Condições do Trabalho já abriu um inquérito

A obra era executada por uma empresa de construção civil da Sobreda, Costa de Caparica, e terá sido contratada pela administração do condomínio. Os dois pintores eram os únicos trabalhadores na obra, não tendo ficado claro se estava licenciada pela autarquia. Familiares das vítimas receberam apoio psicológico no local, onde estiveram 35 operacionais dos Bombeiros de Cacilhas, da PSP, INEM e da Proteção Civil Municipal.



rua D. Francisco de Almeida Feijó Almada Bombeiros de Cacilhas acidentes e desastres meteorologia
Ver comentários