Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
4

Emigrante atacado ao regressar à Suíça

Mal se atravessaram à minha frente, um dos quatro encapuzados apontou-me uma arma pela janela enquanto os outros rodearam o meu carro”, contou ontem ao CM, Inácio Teixeira, emigrante que regressava à Suíça após duas semanas de férias na sua terra, em Lustosa, Lousada.
5 de Janeiro de 2008 às 00:00
Inácio Teixeira, de 55 anos, viajava com a mulher e a filha de 16 anos, e tinha saído de casa de madrugada, ainda antes das 04h30, quando foi atacado por um quarteto de encapuzados em Santa Eulália, Vizela, já no acesso à auto-estrada, a pouco mais de seis quilómetros de casa.
Depois de sair da carrinha Audi A4, a família foi ainda obrigada a correr pela estrada sob a ameaça das armas. “Ouvi-os discutir uns com os outros mas depois desapareceram com o meu carro e no deles, um BMW branco. Na altura, passou por ali uma carrinha branca mas o condutor, certamente com receio, não parou”, contou Inácio Teixeira, ainda mal refeito do choque causado por episódio tão violento.
Pai, mãe e filha, apeados numa zona erma, bateram a algumas portas a pedir ajuda. Vencida a desconfiança inicial dos moradores, alertaram a GNR de Vizela, que não tardou a vir ao seu encontro.
Inácio Teixeira deveria recomeçar o seu trabalho na Suíça, onde está há 23 anos, em Genebra. Trabalha nas cozinhas do catering do aeroporto mas já não pode retomar o trabalho na segunda-feira.
Com o Audi A4 foram também as malas com as roupas, alguns valores e documentos. Alguns destes, contudo, pertencentes à mulher e à filha, foram encontrados na estrada a poucos quilómetros, o que permite que ambas regressem à Suíça por via aérea já no domingo.
“Mais do que os valores, levaram-me a paz. Não sei se um dia vou esquecer aquilo por que eu e a minha família passámos. Após oito anos sem vir a Portugal, é esta a triste marca que levo do meu País”, desabafa Inácio Teixeira.
ASSLATAVAM NAMORADOS
O Tribunal Judicial de Ponte de Lima condenou ontem dois indivíduos acusados de crimes de roubo e sequestro perpetrados sobre dois casais de namorados com penas de oito a oito anos e meio de prisão. A confissão integral dos factos e a ausência de antecedentes criminais foram dois factores que pesaram a favor dos arguidos na determinação da pena. No outro prato da balança, o tribunal colocou a comunhão de esforços com que actuaram, planearam e atacaram as vítimas.
A PJ apurou ainda que os detidos, com 27 e 42 anos de idade, residentes em Braga e Famalicão, terão praticado, sob ameaça de armas, duas dezenas de roubos nos concelhos de Braga, Guimarães, Barcelos, Ponte da Barca e Póvoa de Lanhoso.
PORMENORES
ANTECEDENTE
Há cerca de um mês, intrusos penetraram na casa desabitada de Inácio Teixeira, no Lugar das Tocas, em Lustrosa, mas nada foi roubado. O incidente, todavia poderá estar relacionado com o carjacking.
SUSPEITAS
A PJ de Braga assumiu as investigações mas o emigrante poucos detalhes pôde fornecer dos assaltantes. Admite, no entanto, que tinha divulgado na terra que ontem regressaria.
PREJUÍZOS
Para além da viatura, os ladrões levaram as malas, telemóveis e poucas centenas de euros. Ontem, Inácio Teixeira cancelou os cartões e cheques bancários. Também lhe levaram a chave da sua casa em Genebra.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)