Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
9

Empresário milionário suspeito de pagar para ter orgias com menores de idade

Encontros sexuais eram combinados através da aplicação Whatsapp.
Correio da Manhã 13 de Novembro de 2019 às 23:45
Casa de luxo onde magnata levaria adolescentes para orgias
Casa de luxo onde magnata levaria adolescentes para orgias
Casa de luxo onde magnata levaria adolescentes para orgias
Casa de luxo onde magnata levaria adolescentes para orgias
Casa de luxo onde magnata levaria adolescentes para orgias
Casa de luxo onde magnata levaria adolescentes para orgias
Casa de luxo onde magnata levaria adolescentes para orgias
Casa de luxo onde magnata levaria adolescentes para orgias
Casa de luxo onde magnata levaria adolescentes para orgias
Casa de luxo onde magnata levaria adolescentes para orgias
Casa de luxo onde magnata levaria adolescentes para orgias
Casa de luxo onde magnata levaria adolescentes para orgias
Casa de luxo onde magnata levaria adolescentes para orgias
Casa de luxo onde magnata levaria adolescentes para orgias
Casa de luxo onde magnata levaria adolescentes para orgias

O empresário Matthias Schmelz, que fez fortuna com os aspiradores Rainbow, terá sido investigado pela PJ por alegado lenocínio e recurso à prostituição de menores.

Eram adolescentes de 16 e 17 anos que este homem levaria para orgias diárias na sua casa de luxo, no Monte Estoril, em Cascais.

O inquérito continua aberto mas não há sequer arguidos constituídos, assegura a procuradoria-geral da república.

A denúncia contra o alemão de 57 anos, que por esses crimes arriscaria até 8 anos de cadeia, foi feita na sequência de um assalto à sua moradia, em março passado. Um gang juvenil sequestrou seis pessoas dentro da casa, todos também jovens, numa altura em que o homem não estava lá.

Entre os que foram detidos pela PSP e as vítimas dessa noite, um contou à polícia que Matthias Schmelz pagava até 500 euros a cada adolescente e que as orgias eram combinadas, com recurso a uma angariadora, já maior de idade, através da aplicação de telemóvel Whatsapp.

Todos os dias iam para sua casa três jovens diferentes.

A Polícia Judiciária está a investigar o caso, mas até ao momento ainda não foi possível identificar menores de 14 anos no caso, o que poderia apontar para crimes de abuso sexual.

Desde o assalto à casa de luxo, Mathhias Schmelz mudou radicalmente de comportamento, adotando uma postura discreta. Terá inclusive saído do país.

Matthias Schmelz Rainbow PJ questões sociais grupos populacionais crime lei e justiça jovens crime
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)