Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal

ENCHIDOS CERTIFICADOS

A promoção dos enchidos caseiros, uma actividade que movimenta 250 mil euros por ano e envolve mais de duas dezenas de pessoas, é o principal objectivo da segunda Feira de Enchidos e Tradições que termina hoje em Castanheira, concelho da Guarda.
27 de Abril de 2003 às 00:00
A iniciativa, que começou na sexta-feira, dispõe de ‘stands’ de venda de enchidos – chouriça, morcela, farinheira, bucho e paio – e de presunto, para além de ‘ateliers’ temáticos de doces e enchidos e uma mostra de artesanato e ofícios tradicionais.
Os visitantes são convidados a provar os enchidos tradicionais e a conhecer as artes e ofícios que caíram em desuso, como é o caso do sapateiro e carpinteiro, da urdideira e da tecedeira.
A organização está a cargo da Associação Juventude Activa da Castanheira, que conta com a colaboração da Junta de Freguesia e do Núcleo Empresarial da Região da Guarda.
A freguesia de Castanheira tem quatro unidades de produção de enchido de cariz tradicional e a actividade “poderá desenvolver-se ainda mais”, disse Leonel Abadesso, presidente da Junta de Freguesia.
“A nossa intenção é transformar a Castanheira numa localidade de referência no distrito e na região e com esta iniciativa tencionamos criar uma boa imagem dos nossos produtos, que são de qualidade, e motivar as pessoas para que apostem neste sector, mesmo aquelas que, de momento, só produzem enchidos para consumo próprio”, explicou Leonel Abadesso.
Segundo o autarca, o número de unidades de produção de enchidos segundo a fórmula tradicional “só não é maior porque as burocracias são muitas. Temos o caso de mais um produtor que tenciona licenciar e certificar os produtos, mas possivelmente vai desistir porque o sistema burocrático é muito exigente. Em nosso entender, o Estado devia simplificar o processo e dar mais facilidades a todos aqueles que apostam no licenciamento e na certificação”.
A mesma preocupação é demonstrada por Alberto Dinis, dirigente da Associação Juventude Activa da Castanheira, ao sublinhar que “apesar dos contratempos” o objectivo dos organizadores da Feira de Enchidos e Tradições é “sensibilizar os produtores” e “garantir que vale a pena seguir em frente e apostar na criação de uma imagem de marca própria e na certificação dos produtos”.
Através da feira verifica-se um “incentivo da produção destes produtos artesanais. Depois tentamos inseri-los num mercado mais amplo, para que esta seja, no futuro, a principal actividade económica da Castanheira”.
A organização espera contribuir para o fortalecimento de um sector que já tem provas dadas e desta forma “inverter a situação de desertificação humana a que as aldeias estão sujeitas”, defendeu Alberto Dinis.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)