Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
7

Engenheiro pode apanhar 25 anos

António Ferreira da Silva, o engenheiro que matou o ex-genro a tiro, em Fevereiro, no parque da Mamarrosa, Oliveira do Bairro, vai ser julgado por homicídio qualificado, incorrendo assim numa pena que pode ir até aos 25 anos de cadeia. O Tribunal da Relação de Coimbra decidiu alterar a qualificação jurídica do crime por considerar que o arguido agiu por motivo fútil e que ao ir armado para o encontro mostrou que já ia com intenção de assassinar Cláudio Rio Mendes. Na decisão instrutória, o arguido tinha sido pronunciado pela forma mais simples do crime.
4 de Novembro de 2011 às 01:00
Ferreira da Silva vai ser julgado por homicídio qualificado e arrisca a pena máxima
Ferreira da Silva vai ser julgado por homicídio qualificado e arrisca a pena máxima FOTO: Joana Neves Correia

"Quem tem medo e receio evita encontros, não se arma para os mesmos. É logo de questionar porque vai o arguido para um encontro com a neta com uma pistola carregada", diz o acórdão da Relação de Coimbra a que o CM teve acesso.

Os juízes desembargadores salientam ainda o facto de o homicida, que actualmente está em prisão domiciliária, se ter aproximado do advogado antes de disparar. "Correu para a vítima para disparar mais perto e acertar na zona do peito do lado esquerdo", lê-se no acórdão.

A Relação diz ainda que o arguido que quando disparou estava com a neta ao colo, agiu sem motivo e que escolheu uma arma de fogo por saber que era o meio que lhe daria menos hipóteses de falhar. O acórdão ressalva que Cláudio não teve qualquer hipótese de se defender, uma vez que foi atingido pelas costas.

MAMARROSA HOMICÍDIO GENRO ENGENHEIRO FERREIRA DA SILVA PENA JULGAMENTO
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)