Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
5

“Entrei em pânico ao ver a arma”

"Ele só exigia o dinheiro. Fiquei sem saber como agir, entrei em pânico ao ver a arma, tinha medo do que ele pudesse fazer." Foi visivelmente transtornada que uma funcionária da confeitaria Vermoinho, na Maia, relatou ao CM os momentos de terror que anteontem à noite viveu durante um assalto ao estabelecimento.
12 de Julho de 2010 às 00:30
Funcionárias da confeitaria Vermoinho, na Maia, ficaram bastante abaladas com o assalto de anteontem
Funcionárias da confeitaria Vermoinho, na Maia, ficaram bastante abaladas com o assalto de anteontem FOTO: Daniel Rodrigues

Segundo a funcionária e o proprietário da confeitaria contaram, o ladrão entrou, apontou uma arma e arrancou a gaveta da caixa registradora. Apesar de não ter contabilizado o dinheiro, o dono estima que tenha ficado sem pelo menos 700 euros. Na altura do roubo não se encontravam clientes.

"Ele chegou perto da caixa registradora e arrancou-a à força. Levou todo o dinheiro que lá estava. Pensamos que tinha pelo menos 700 euros", explicou o proprietário.

O assaltante colocou-se de imediato em fuga a pé. No entanto, algumas testemunhas relataram às autoridades que viram o encapuzado, alguns metros depois, entrar num carro, onde o aguardava um cúmplice.

Ao que tudo indica, o ladrão teria andado já durante a tarde a rondar o estabelecimento. "Reconheci o ladrão pela roupa. Aquele homem passou aqui várias vezes durante a tarde, mas pensei que fosse alguém que morasse aqui por perto", explicou a funcionária ainda mal refeita do susto.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)