Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
5

EPIDEMIA DE GRIPE CHEGOU

Portugal vive há duas semanas uma situação de epidemia de gripe. O número de casos registados disparou, em quinze dias, de cerca de cinco para 34 por cada cem mil habitantes, o que representa 3400 doentes.
18 de Novembro de 2003 às 00:00
Segundo o Centro Nacional da Gripe, “pela segunda semana consecutiva as taxas de incidência mantêm-se acima da linha de base, compatível com o início de um período epidémico”, ou seja, o número de casos registados é superior à média obtida nos últimos cinco anos para esta época do ano.
Os dados agora divulgados levaram o director-geral de Saúde, Pereira Miguel, a afirmar “que foi registado um número de casos anormal para o que é esperado nesta época do ano”. Por sua vez, o subdirector Francisco George disse ao CM que “a situação actual é ligeiramente mais alta do que a habitual para esta época do ano”, confirmando que Portugal entrou “numa situação compatível com um período epidémico”.
Mário Jorge, presidente da Associação de Médicos de Saúde Pública, explicou ao CM que “o maior número de casos verificados este Outono pode estar relacionado com a permanência de temperaturas não muito baixas, factor que favorece a propagação do vírus”.
O clínico destacou que “o uso maciço da vacina este ano, sobretudo entre a população de risco, pode dificultar a propagação do vírus, especialmente perigoso para as pessoas idosas”. Mário Jorge acrescentou que este reforço da vacinação, “nomeadamente entre os profissionais da saúde tem por objectivo que os casos de gripe não perturbem o diagnóstico da pneumonia atípica”.
Também a DGS está confiante que apesar de os vírus isolados (A/Fugian/411/2002), serem distintos da estirpe abrangida pela vacina recomendada para este ano (A/Panamá/2007/99) são, no entanto, “estirpes relacionadas e, consequentemente, a vacina deste Inverno de 2003/4 confere imunidade, se bem que mais reduzida”.
Recorde-se que o surto de gripe levou já ao encerramento de duas escolas: A EB 2-3 de São Bernardo, em Aveiro, onde cem de 400 alunos adoeceram; e a EB de Ribeira de Pena com 40 por cento dos alunos doentes.
A DGS avançou que mantém o sistema de vigilância activo, no sentido de serem accionados de imediato mecanismos de resposta capazes de resolverem eventuais situações em que se verifique um elevado recurso aos centros de saúde ou hospitais pela ocorrência de um surto de gripe.
CONSELHOS
USO DE LENÇO
Sempre que tossir ou espirrar deve colocar a mão à frente da boca, ou então, o mais recomendável usar um lenço. Lavar as mãos frequentemente é outra obrigatoriedade para evitar a propagação desta doença de fácil contágio.
NÃO TRABALHAR
Ir para a escola ou para o trabalho com gripe é um erro. A doença irá propagar-se rapidamente entre os seus colegas, e por sua vez, terá mais dificuldade em realizar um tratamento eficaz.
SOL FAZ BEM
Evitar zonas superpovoadas e muito fechadas, bem como deslocar-se a hospitais ou centros de saúde é outro dos objectivos, pois estes são locais onde o vírus abunda. Casas bem arejadas e ventiladas ou caminhadas ao ar-livre sempre que haja Sol combatem a doença.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)