Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
3

“Era muito querida. Vai fazer-nos falta”

A fotografia estampada nas camisolas e a dor vincada nos rostos de dezenas de pessoas não deixavam margem para dúvidas sobre quem ia a enterrar: uma rapariga que, além de jovem, tinha muitos amigos e era dedicada a ajudar os outros, como confirmaram ao CM algumas amigas do Ramalhal, Torres Vedras. Os funerais de Ana Sofia e dos seus avós, Domingos e Lara Neves, três das nove vítimas mortais do acidente em Marrocos, ficaram marcados pela revolta contra o Estado, por não ter dado apoio psicológico a uma família que perdera três entes queridos. "Uma vergonha", repetia ao CM Maria Emília, vizinha e amiga da jovem de 17 anos.
12 de Setembro de 2010 às 00:30
Cerca de 30 amigos homenagearam Ana Sofia Neves ostentando a foto da jovem de 17 anos
Cerca de 30 amigos homenagearam Ana Sofia Neves ostentando a foto da jovem de 17 anos FOTO: Mariline Alves

Além das vítimas de Torres Vedras, realizaram-se ontem mais dois funerais: o de Benigna Brito, em Lisboa, e o de Maria Virgínia Pereira, em Arganil. Para hoje estão previstas as cerimónias fúnebres de Maria da Conceição Oliveira, no Porto, e de Maria Figueiredo e Laura Sacramento, ambas em Lisboa.

A fotografia estampada em cerca de 30 camisolas foi a forma que os amigos encontraram para homenagear Ana Sofia Neves, uma das raparigas mais dinâmicas da aldeia, conhecida pela sua disponibilidade para com os outros, nomeadamente os mais novos. "Era muito querida. Vai fazer muita falta", sublinhava uma amiga da Igreja. Catequista, era dinamizadora de grupos, recordada, por exemplo, por ter organizado peregrinações a Fátima e por dar ainda uma ajuda ao avô Domingos no grupo musical Os Primos, que deveria actuar amanhã na festa anual da aldeia. Razões mais do que suficientes para explicar por que a urna de Ana Sofia foi carregada por jovens, que se foram substituindo ao longo dos cerca de mil metros que separavam a igreja do cemitério, em vez de ter sido transportada na carrinha funerária.

"MOSTRAR UNIÃO COM A FAMÍLIA DAS VÍTIMAS"

Na capela do Centro Paroquial de Arganil, dezenas de pessoas prestaram ontem a última homenagem a Mª Virgínia Pereira. "Há situações que nos deixam mais tocados e mais sensíveis. Este trágico acontecimento é um desses casos. Nesta hora, devemos mostrar união com a família das vítimas", pediu o padre Manuel Martins às pessoas que lotaram o templo. 

"FOSTE A MELHOR AMIGA QUE SE PODE TER"

"Serás sempre nossa. Nunca te vamos esquecer. Sofreste tanto e agora, finalmente, vais ter a paz que mereces. Foste a melhor amiga que se pode ter", gritava ontem, em pranto, uma das amigas de Maria da Conceição Oliveira, uma das vítimas mortais do acidente de Marrocos. O corpo da mulher, que está a ser velado na igreja de Paranhos, será enterrado junto da mãe.

Ver comentários