Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
4

Escrava do marido está protegida

Há quase quatro meses que Maria Eugénia vive escondida do marido, que durante mais de quatro décadas a escravizou. A mulher, de 66 anos, está refugiada numa casa-abrigo e só regressa a Serém de Baixo, em Macinhata do Vouga, Águeda, trazida pela GNR e para ver familiares. Apesar de proibido, o agressor, Manuel Pereira, continua a rondar a pequena localidade.

4 de Junho de 2012 às 01:00
Casa onde Maria Eugénia foi escravizada pelo marido durante 44 anos está abandonada
Casa onde Maria Eugénia foi escravizada pelo marido durante 44 anos está abandonada FOTO: Eduardo Martins

Em Serém de Baixo, todos conheciam a tortura pela qual Maria Eugénia passou à mãos do marido, Manuel da ‘Choila’, de 80 anos. A GNR libertou Maria Eugénia no passado mês de Fevereiro, e desde então que tem sido protegida. E nem a família sabe do paradeiro da mulher.

O objectivo é que a vítima seja devidamente acompanhada pelos médicos e para evitar que seja novamente escravizada pelo marido. É a GNR que faz a ligação entre a família e Maria Eugénia, que recebe visitas sempre longe da instituição onde foi acolhida.

Ao viver num clima de terror durante 44 anos, Maria Eugénia desenvolveu uma grave dependência em relação ao marido. "Roubaram o meu Manel", gritava a mulher ao ver o marido ser levado pela GNR; quando foi libertada. "Ela não sabia fazer nada sem ele, que a tratava como se fosse um cão. Até lhe dava ossos para comer", contou ao CM uma vizinha do casal, cuja casa está abandonada.

Após a detenção do marido, Maria Eugénia foi levada para a ala de Psiquiatria dos Hospitais de Coimbra. Teve alta, mas foi logo levada para a casa-abrigo. O homem, proibido pelo tribunal de ir a Serém de Baixo, continua a rondar a aldeia.

ÁGUEDA ESCRAVA
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)