Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
2

Portuguesa atirada viva para rio em Moçambique

Izaias Nicolau, mentor do plano para roubar Inês Botas, confessa na prisão o rapto e morte.
Isabel Jordão 4 de Janeiro de 2018 às 01:30
Inês Botas tinha 28 anos. Era natural de Leiria e vivia em Moçambique há ano e meio
Duas portuguesas mortas em Moçambique
Três homens roubaram e mataram Inês Botas, 28 anos, que lhes deram boleia
Inês Botas tinha 28 anos. Era natural de Leiria e vivia em Moçambique há ano e meio
Duas portuguesas mortas em Moçambique
Três homens roubaram e mataram Inês Botas, 28 anos, que lhes deram boleia
Inês Botas tinha 28 anos. Era natural de Leiria e vivia em Moçambique há ano e meio
Duas portuguesas mortas em Moçambique
Três homens roubaram e mataram Inês Botas, 28 anos, que lhes deram boleia
O suspeito de ser o mentor do plano macabro para raptar, assaltar e assassinar Inês Botas, jovem de 28 anos natural de Leiria, e a residir na Beira, Moçambique, contou que a vítima foi atirada ainda com vida ao rio Pungue, onde o corpo viria a ser encontrado.

Em declarações à Televisão de Moçambique (TVM), a partir da prisão, Izaias Nicolau, 21 anos, assume todo o envolvimento no crime – em que também participaram Jonas Moiana e Danilo Lampeão, de 24 anos. Os três homicidas estão detidos pela polícia em esquadras diferentes, enquanto decorre a investigação.

Izaias Nicolau conhecia Inês Botas do Clube Náutico da Beira, onde trabalhava como preparador físico e ela era cliente habitual. Na quinta-feira à noite, "ele deu sinal e nós fomos levá-la", contou Danilo Lampeão, adiantando que Izaias Nicolau já "tinha tudo planeado".

"A vítima praticava exercício físico no Clube Náutico e o Izaias sabia como ela fazia, a hora e o local", contou Danilo Lampeão à TVM, explicando que Inês Botas estava a sair, pelas 22h00 de quinta-feira passada, quando foi abordada pelo grupo, que lhe pediu boleia para a cidade.

A jovem deixou-os entrar no seu jipe por conhecer Izaias Nicolau, longe de imaginar que a intenção era "roubarem dinheiro à portuguesa". Izaias Nicolau contou que Inês Botas estava "com a roupa do ginásio" quando foram "para a cidade".

Na viagem, Inês foi ameaçada com uma réplica de uma pistola para lhe roubarem os cartões bancários, com os quais sacaram 29 mil novos meticais (cerca de 400 euros). "Ela estava comigo e estava viva quando a atirámos para o rio", contou Izaias.

"O que pretendiam era o dinheiro dela, mas por ela ter reconhecido um deles e para que não fossem denunciados, optaram por a atirar ainda viva, atada de mãos e pés, ao rio Pungue", explicou um porta-voz da polícia.

O relatório da autópsia revela que Inês Botas foi morta por afogamento, com prévio traumatismo craniano. 

Corpo de Inês Botas transladado hoje para Leiria   
O corpo de Inês Botas deverá chegar hoje a Portugal, para que o funeral se possa realizar amanhã, na terra natal da jovem, em Abadia, Cortes, Leiria.

A jovem era solteira e estava há ano e meio a residir na Beira, Moçambique, onde trabalhava como diretora financeira da Ferpinta. Vivia num condomínio fechado. Antes de Moçambique, viveu em Angola. 

Empresária acaba morta pelo caseiro da quinta em assalto
Uma empresária portuguesa, emigrada há mais de 40 anos em Moçambique, Maria Laura Pereira, de 72 anos, foi morta à pancada pelo caseiro da quinta, durante um assalto, em Chimoio, Manica (Moçambique), no dia seguinte à morte de Inês Botas.

A empresária era natural de Rebordinho, em Viseu, e o funeral ainda não tem data marcada. Maria Laura Pereira geria uma agropecuária e era uma pessoa conhecida e respeitada. O autor do assalto e do homicídio já foi detido.

PORMENORES 
Desapareceu na quinta
O rapto de Inês Botas ocorreu na noite de quinta-feira passada. Na sexta-feira de manhã, Romeu Rodrigues, responsável da empresa Ferpinta, deu o alerta às autoridades policiais, revelando que a jovem tinha o telemóvel desligado, não tinha regressado a casa e o jipe tinha sido encontrado abandonado, junto de um hotel.

Homicidas confessam
Graças à colaboração de um funcionário do Clube Náutico - que tinha estado com a vítima pouco antes –, a polícia rapidamente avançou para a detenção dos três jovens, que confessaram o crime e revelaram que tinham atirado o corpo ao rio. Foram iniciadas buscas e o corpo foi recuperado no sábado.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)