Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
3
Ao minuto Atualizado às 12:01 | 03/02

Ex-amante de Rosa Grilo jura inocência e atira culpas para mulher do triatleta assassinado

"A Rosa [Grilo] tinha a chave de minha casa e sabia onde estava a minha arma", disse António Joaquim em tribunal.
Débora Carvalho 3 de Fevereiro de 2023 às 10:00
António Joaquim, ex-amante de Rosa Grilo
António Joaquim, ex-amante de Rosa Grilo FOTO: CMTV
O ex-amante de Rosa Grilo - condenada a 25 anos de prisão pelo homicídio do triatleta Luís Grilo -, António Joaquim, voltou a jurar inocência, durante a sessão do julgamento no caso das provas plantadas por Tânia Reis, antiga advogada de Rosa Grilo, e o ex-inspetor da PJ João Sousa, chamado ao caso como perito forense, julgados pelo crime de favorecimento pessoal, punível com até três anos de prisão.

Na sessão que decorreu esta sexta-feira, no Tribunal de Vila Franca de Xira, a primeira testemunha a ser chamada foi o filho de Rosa Grilo, Renato Grilo, que participou através de videochamada. Também o pai da mulher condenada, Américo Pina, foi ouvido em tribunal e contou que a advogada Tânia Reis lhe pediu as chaves para ir a casa do triatleta e de Rosa Grilo, mas que nunca soube com que propósito se deslocou à habitação.

Em novembro do ano passado foram ouvidos três militares da GNR que disseram, em tribunal, que quando subiram ao quarto e casa de banho encontraram fragmentos de bala na banheira e numa gaveta da cómoda e de um guarda-jóias. A Polícia Judiciária garante que as provas não estavam lá e acreditam que tenham sido colocados mais tarde.


Ao minuto Atualizado a 3 de fev de 2023 | 12:01
10:45 | 03/02

Pai de Rosa Grilo afirma ter dado chaves de casa da filha à advogada Tânia Reis

Américo Pina, pai de Rosa Grilo, contou em tribunal que a advogada, Tânia Reis, lhe pediu as chaves para ir a casa do triatleta e da mulher, mas que nunca soube com que propósito se deslocou à habitação.

10:21 | 03/02

Defesa de ex-inspetor da PJ diz que tiro na banheira "foi dado por Rosa Grilo, para testar a arma"

Miguel Santos Pereira, defesa do ex-inspetor da PJ João de Sousa disse que "os inspetores da PJ mentiram, falsificaram as fotografias".

"O tiro na banheira estava lá desde 2018. Este senhor [António Joaquim] está inocente e foi condenado a 25 anos de prisão. Aquele tiro foi dado pela senhora Rosa Grilo, para testar a arma".

10:16 | 03/02

Ex-amante de Rosa Grilo volta a jurar inocência sobre homicídio

A juíza confrontou António Joaquim sobre os invólucros da sua arma, encontrados em casa do triatleta morto, mas o ex-amante de Rosa Grilo disse não ter uma explicação.

Questionado se, já em liberdade, contactou com Tânia Reis, ex-advogada de Rosa Grilo, e com o ex-inspetor da PJ, João de Sousa, António Joaquim negou. "Sei tanto sobre isso como sei do assassinato do Luís Grilo", disse.

10:11 | 03/02

"A Rosa [Grilo] tinha a chave de minha casa e sabia onde estava a minha arma", diz ex-amante António Joaquim

O ex-amante de Rosa Grilo, António Joaquim, disse em tribunal que as únicas pessoas com acesso à sua residência eram a sua mãe e Rosa Grilo.

"A Rosa tinha a chave de minha casa e sabia onde estava a minha arma. Sabia onde estavam os carregadores, as munições, a arma, o estojo de limpeza. Ela sabia onde estava tudo. Se ela transportou, não sei".


09:59 | 03/02

Filho de Rosa Grilo é a primeira testemunha a falar

A primeira testemunha a ser chamada, na sessão que decorre esta sexta-feira, é o filho de Rosa Grilo, Renato Grilo, que participa através de videochamada.

A juíza perguntou a Renato Girlo se caso não tivesse chaves de casa, conseguiria aceder à habitação por outra via, ao que este respondeu que não.
Ver comentários
C-Studio