Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
8

Ex-bancária detida pela PJ sai em liberdade

Suspeita de burla a clientes VIP do Banco Best.
Henrique Machado 30 de Abril de 2016 às 13:02
A bancária Ana Mafalda Prazeres
A bancária Ana Mafalda Prazeres FOTO: Direitos Reservados

Ana Mafalda Spínola Carvalho Prazeres foi detida pela Polícia Judiciária de Lisboa e foi este sábado presente a juiz. 

A ex-bancária ficou com termo de identidade e residência e proibida de contactar os restantes intervenientes no processo, aguardando assim o julgamento em liberdade. É suspeita de burla, abuso de confiança e falsificação de documentos.

A bancária era procurada pela PJ depois de fazer desaparecer 20 milhões de euros de clientes VIP do Banco Best.

Além do dinheiro que perderam, estão a ser confrontadas com créditos que a bancária, de 57 anos, ‘estoirou’ em seu nome.

A dimensão gigantesca da fraude foi apurada já no dia 6 de abril, à porta de um quarto no Hospital da CUF Infante Santo, em Lisboa, onde Ana Mafalda Prazeres recuperava da indisposição que sofrera pelo apertar do cerco.

Juntaram-se ali alguns clientes do Best, que abriram contas no banco pela mão daquela consultora financeira – e a quem o dinheiro desapareceu.

Todo o desfalque aos clientes está a ser apontado a Ana Mafalda Spínola Carvalho Prazeres, de 57 anos, a bancária que desapareceu logo depois de ter tido alta da CUF, no dia 7, apurou o CM.

Tinha relações de amizade que foi criando com a maioria das vítimas – a quem nunca mais atendeu o telefone.

Descobriu-se que tinha montado um esquema em pirâmide ao estilo da ‘Dona Branca’, conhecida burlona dos anos 80 do século passado, mas esta mais sofisticada e sob a fachada de um banco: angariava clientes para aplicações que dizia serem seguras e com a promessa de juros elevados, o que foi fazendo durante alguns anos, mas pagando os juros com o dinheiro de outros clientes.

E, nos últimos meses, a bolha rebentou. Os lesados tentaram resgatar o dinheiro, mas sem sucesso. Um dos esquemas passava por simular falsas aplicações das vítimas em ações de uma seguradora, desviando o dinheiro; outro consistia em convencer os clientes a comprar moeda estrangeira, o que não acontecia; a gestora também abria várias contas em nome das vítimas, com as quais emitia cartões de crédito à revelia dos clientes.

Há suspeitas de que Ana Mafalda usou a fortuna dos lesados em proveito próprio – inclusive no vício do jogo no Casino Lisboa. Entre os lesados há grandes empresários da construção, dos transportes e da hotelaria – só uma família de Negrais, Sintra, terá ficado sem mais de cinco milhões –; e há ainda pequenos clientes, que perderam tudo.

Ana Mafalda Spínola Carvalho Prazeres Polícia Judiciária VIP do Banco Best questões sociais
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)