Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
4

Família revive a dor da ausência de Rui Pedro

Hoje é o 21.º aniversário de Rui Pedro. Desapareceu há quase dez anos, em Lousada, mas o sofrimento, ao invés de diminuir, incrustou-se e teima em não abandonar a família. Estes são dias muito difíceis para a sua mãe, Filomena. Todas as memórias dos dias felizes junto do filho não a abandonam e é na reclusão das quatro paredes do quarto que revive a dor da ausência.
28 de Janeiro de 2008 às 00:30
“Apesar de, como é natural, falarmos do tema, não assinalamos a data porque é muito doloroso”, revelou ao CM, o tio de Rui, Carlos Teixeira, que foi um dos que não poupou esforços para encontrar o sobrinho e afilhado. Nas inúmeras viagens ao estrangeiro e tentativas frustradas não se apagou a esperança. “A incerteza consome-nos sempre. Será que está vivo? Se estiver pode estar a sofrer, o que nos dá uma sensação terrível de impotência”, diz o mesmo familiar.
Carlos Teixeira ao passear na sua quinta, na Maia, recordou, com a voz embargada, que era ali que Rui gostava de passar as férias.
Impossível de ultrapassar foi o trauma da perda. Com filhos menores, de seis e dez anos, todos os cuidados são poucos. “Temos a casa cheia de câmaras e temos cuidado de ver com quem eles estão e saem. Procuramos ainda alertá-los para que não falem com estranhos”, revela Carlos.
Os pequenos primos de Rui Pedro, apesar de nunca terem convivido com o rapaz desaparecido, sentem também a tragédia da família. “Sempre que se fala na televisão do Rui ou de crianças desaparecidas, viram a cara para o lado”, contou o tio de Rui Pedro.
Ontem, o CM tentou falar com Filomena mas esta disse “não estar em condições”. Tem estado sob vigilância médica.
Ver comentários