Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
6

Autoestradas custam 3,6 milhões diários

Despesa com as parcerias público-privadas disparou 65%.
Raquel Oliveira 16 de Junho de 2015 às 01:00
Algumas  concessionárias já  aceitaram renegociar  os contratos
Algumas concessionárias já aceitaram renegociar os contratos FOTO: Nuno Fernandes Veiga
Os custos com as parcerias público-privadas dispararam 65 por cento no primeiro trimestre do ano, em parte devido às autoestradas contratualizadas entre 2007 e 2010, pelo Governo de José Sócrates. Diariamente, foram gastos 3,6 milhões de euros com as parcerias rodoviárias, segundo a Unidade Técnica de Acompanhamento de Projetos (UTAP) do Ministério das Finanças.

As negociações com as concessionárias para baixar esta despesa pública prolongam-se há mais de ano e meio, nalguns casos sem sucesso, noutros já concluídas mas à espera de luz verde dos bancos ou do Tribunal de Contas.

As concessões Douro Interior (Ascendi), Litoral Oeste (AELO, que integra o grupo Lena) e Baixo Alentejo contam-se entre as autoestradas que começam a pesar nas contas. De resto, mantêm-se as negociações com os privados envolvidos na concessão do Pinhal Interior e Baixo Tejo, entre outras.

Nas restantes parcerias público-privadas, apenas a da segurança está a crescer (ver texto ao lado), ainda segundo a análise feita pela Unidade Técnica de Acompanhamento de Projetos.

Com pagamentos de 93 milhões de euros, a despesa na saúde, com os hospitais, manteve-se igual à do ano passado. Nas parcerias ferroviárias até desceu. Os pagamentos feitos no primeiro trimestre deste ano foram apenas de 2,2 milhões de euros à Metro Sul do Tejo.

No entanto, o peso destas parcerias não chega para contrabalançar o forte impacto das autoestradas: representam 76% da despesa total das parcerias público-privadas.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)