Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
1

Felizes em casa mas não na escola

Os jovens portugueses têm um bom relacionamento com a família e amigos, mas o capítulo da educação e do bem-estar não faz parte do dicionário.
15 de Fevereiro de 2007 às 00:00
Portugal não proporciona bem-estar educativo às crianças
Portugal não proporciona bem-estar educativo às crianças FOTO: Nuno Veiga
De acordo com o relatório sobre o bem-estar das crianças nos países da OCDE, realizado pela UNICEF e divulgado ontem, Portugal surge nos últimos lugares no bem-estar material das crianças e em último no bem-estar educativo. Bélgica e Canadá estão no topo no ramo educacional, mas, no geral, as crianças holandesas são as mais felizes. Na classificação geral, Portugal está à frente da Áustria, Hungria, Estados Unidos e Reino Unido.
O bem-estar material corresponde à percentagem de crianças que vive em lares com rendimentos inferiores em 50 por cento à média nacional, mas também à percentagem de crianças que tem menos de dez livros em casa ou que tem na família um adulto desempregado. Já o bem-estar educativo assenta em critérios como a literacia, o bom desempenho em Matemática e Ciências ou o abandono e insucesso escolares.
A directora executiva do Comité Português da UNICEF, Madalena Marçal Grilo, considerou que o relatório “significa que ainda há muito a fazer”, lançando uma mensagem aos decisores políticos quando revela que o País continua a ter uma posição muito frágil em matéria de Educação.
A pobreza infantil relativa mantém-se acima dos 15 por cento em Portugal, Espanha, Itália, Estados Unidos, Reino Unido e Irlanda. Os jovens portugueses são os que mais se dizem vítimas de bullying (violência na escola por parte de colegas).
Pela positiva, as crianças portuguesas são das que beneficiam de um melhor ambiente familiar. Segundo o relatório da UNICEF, Portugal está em segundo na tabela das relações com a família e outras crianças, apenas ultrapassado pela Itália. Portugal está ainda entre os primeiros no que respeita ao diálogo entre os jovens e os pais e entre as famílias que mais atenção dão aos seus filhos.
Outros dados do relatório: Portugal está em 1.º na percentagem de crianças que toma pequeno-almoço e na ingestão diária de fruta. Os jovens alemães são os que mais fumam e os ingleses os que mais admitem já terem ficado embriagados. No Canadá reside a maior percentagem de jovens que já fumou canábis e os ingleses são os que mais dizem já ter tido relações sexuais (Portugal está em sexto).
FELICIDADE JUVENIL
SEIS CRITÉRIOS
O relatório assenta em seis critérios: bem-estar material, saúde e segurança, educação, relações com a família e com as outras crianças, comportamentos e riscos e bem-estar subjectivo.
FORA DA ESCOLA
Portugal ocupa o penúltimo lugar na OCDE na percentagem de jovens dos 15 aos 19 anos que frequenta o sistema educativo. Pior só a Nova Zelândia.
PORREIROS ÚTEIS
Oitenta por cento dos jovens portugueses considera que os amigos são simpáticos e úteis. Apenas na Suíça a percentagem é superior.
ISOLAMENTO SOCIAL
Margarida Gaspar de Matos, que coordenou um estudo sobre a saúde dos adolescentes portugueses em 2006, explicou que o seu trabalho aponta para uma realidade preocupante: o isolamento social de alguns jovens, que optam por uma vivência social virtual (internet e jogos electrónicos).
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)