Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal

“Ficaram desfeitos contra a serra”

Com mais de 20 anos de experiência a pilotar aeronaves, Custódio Murta, 68 anos, decidiu enfrentar chuva e nevoeiro na serra de Sintra, anteontem à tarde, e regressar mesmo assim ao Algarve aos comandos do seu ultraleve. Tinha participado num encontro aeronáutico no aeródromo da Tojeira, Sintra. O amigo Paulo Gonçalves, 41 anos, também piloto e que chegou ao evento numa outra aeronave, regressava à boleia de Custódio. Os dois morreram quando o ultraligeiro se despenhou contra a encosta do Cabeço da Pirolita, pouco mais de um quilómetro a sul do Cabo da Roca.
4 de Junho de 2012 às 01:00
Paulo Gonçalves e Custódio Murta morreram anteontem quando ultraleve em que voavam se despenhou em Sintra. Destroços e corpos foram encontrados ontem
Paulo Gonçalves e Custódio Murta morreram anteontem quando ultraleve em que voavam se despenhou em Sintra. Destroços e corpos foram encontrados ontem FOTO: Sérgio Lemos

O aparelho desapareceu sem deixar rasto cerca das 16h30. Era esperado no aeródromo de Lagos (ver caixa). Só ontem de manhã, pelas 07h00, é que os cadáveres e o que restava do ultraleve foram localizados, por um avião da Força Aérea.

"Estava muito nevoeiro e não havia visibilidade. Falharam na segurança e ficaram desfeitos ao chocar contra a serra", referiu ao CM uma testemunha que assistiu à descolagem na Tojeira.

Custódio Murta, ex-emigrante na Venezuela, era dono de uma empresa de construção civil em Almancil. Tem duas filhas e um filho. Era apaixonado por motores e fazia corridas de automóveis. Chegou a Portugal e tirou o brevet para pilotar aeronaves. Já havia tido dois acidentes com ultraleves. Paulo Gonçalves vivia em Portimão e trabalhou no aeródromo de Alvor como controlador de tráfego. "Morreu a fazer o que mais gostava: voar", afirmou, emocionado, um familiar da vítima.


LAGOS LANÇOU ALERTA PARA DESAPARECIMENTO

O aeródromo de Lagos esperou a chegada do ultraligeiro de Custódio Murta até ao final da tarde de sábado, mas em vão. "Quando falhou a hora do pôr-do--sol, achámos estranho e demos o alerta do desaparecimento", confirmou ao ‘CM’ Luís Duarte, presidente do Aero Clube de Lagos, assegurando que Custódio "era um piloto muito experiente, com mais de vinte anos a voar". 

NEVOEIRO E CHUVA DIFICULTARAM NOITE DE BUSCAS

A primeira fase das buscas decorreu até às 04h30. Devido ao imenso nevoeiro e à chuva, foram terminadas sem sucesso. As buscas foram retomadas por volta das 07h30 de ontem, contando com 17 homens e 5 veículos. "Quando soubemos que tinham localizado a aeronave, rapidamente viemos para o local", disse Bruno Tomás, comandante dos Bombeiros de Almoçageme.

"NÃO PODEMOS PROIBI-LOS DE VOAR"

O aeródromo da Tojeira, em Sintra, recebeu este fim-de-semana o Tojeira Airmeet 2012. "É um evento para divulgar a arte da aeronáutica, junta muita gente", explicou ao CM o organizador, Homero Figueiredo. "Ontem, de repente ficou muito nevoeiro e chuva, mas não podemos e não nos compete proibir ninguém de levantar voo."

IA FAZER VOLTA A PORTUGAL E ESPANHA

Custódio Murta integrava a Associação Portuguesa de Aviação Ultraleve (APAU), que realiza anualmente um passeio de ultraleves. O piloto estava inscrito para o evento, que arranca já na próxima quinta--feira e vai passar por Portugal e Espanha. "Era um piloto experiente e ia participar este ano", referiu ao CM Carlos Costa , presidente da APAU.

MORTE ÓBITO ACIDENTE QUEDA ULTRALEVE SINTRA
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)