Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
9

Filha da vítima leva a homicida

Investigação foi salva por jovem, que não acreditou na versão formal de suicídio da mãe.
21 de Abril de 2013 às 01:00



APolícia Marítima ia deixar passar um homicídio sem castigo, com o processo prestes a ser arquivado numa versão de suicídio, depois de não ter sequer comunicado à Judiciária de Lisboa, como mandam os procedimentos, o facto de ter sido encontrado a 31 de março, na praia da Aguda, em Sintra, o corpo da professora Delmira Claro, 53 anos, que fora afinal assassinada à pancada e por afogamento por um amigo com quem saíra na noite da véspera.

A Judiciária, que tem a competência exclusiva para a investigação e é a única a estar habilitada tecnicamente para aferir da existência ou não de crime – pelas inspeções que faz aos cadáveres, complementadas pelas autópsias e por outros fatores da vida das vítimas – só soube do caso da morte de Delmira Claro através de uma notícia do CM. E por intervenção posterior do Ministério Público, que fora contactado pela filha da vítima – jovem inconformada com a tese formal de suicídio da mãe.

O corpo fora encontrado despido da cintura para baixo; o jipe da vítima desaparecera, tal como os bens pessoais; e faltava investigar o amigo Hugo Sousa, 35 anos, a quem a professora dera boleia. Matou a, roubou-lhe o jipe e outros bens, levantou dinheiro da sua conta, e foi agora preso pela PJ.

filha vítima professora sintra polícia pj morte praia
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)