Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal

Financiador ficou aliviado com detenção

Um dos financiadores da rede de falsificação de dólares americanos que foi desmantelada em Agosto de 2006 confessou ontem no Tribunal de Odemira que sentiu um “enorme alívio” quando foi detido pelos inspectores da PJ.
8 de Dezembro de 2007 às 00:00
Na segunda audiência, Luís disse aos juízes que estava “desesperado” com o acumular de dividas devido ao investimento na aquisição de tintas, papel, material informático e máquinas de impressão, estas compradas em Odivelas. “Entrei com 25 mil euros e o acordo que tinha era para reaver esse dinheiro e ficar com 2% dos lucros, mas nada ganhei”, referiu o arguido, que está em liberdade.
Neste segundo dia do julgamento foram ainda ouvidos vários dos 13 arguidos do processo de falsificação de dólares. O caso remonta ao início de 2006, quando três dos arguidos, com conhecimentos de tipografia, iniciaram um plano de produção de notas falsas de 100 dólares. Na operação desencadeada pela PJ desde a Beira Litoral ao Alentejo foram apreendidos mais de 7,5 milhões de dólares, uma das maiores apreensões ao nível mundial, e desmantelado o local de fabrico, em Odemira.
Na primeira sessão os arguidos negaram a existência de uma rede organizada de falsificação de notas.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)