Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
9

Fisco e câmara de Portimão em guerra por 1 milhão

Autarquia teve de apresentar uma garantia de 1,4 milhões para travar execução fiscal
1 de Março de 2014 às 15:03
Câmara de Portimão optou por fazer hipoteca sobre imóveis para apresentar como garantia
Câmara de Portimão optou por fazer hipoteca sobre imóveis para apresentar como garantia FOTO: Pedro Noel da Luz

O Fisco exige 1,1 milhões de euros à Câmara de Portimão. A autarquia já contestou, mas foi obrigada a apresentar uma garantia em bens imóveis no valor de 1,4 milhões de euros para travar o processo de execução fiscal – a constituição da hipoteca já foi aprovada em assembleia municipal.

O litígio teve origem num estudo da consultora KPMG, que considerou que o método de cálculo de IVA relativo ao período de 2007 a 2010 usado pela serviços municipais prejudicava a câmara. A consultora concluiu que esta teria direito a um reembolso de 1,4 milhões do Fisco.

A câmara optou por solicitar o reembolso de 900 mil euros, ficando 500 mil para eventuais acertos com o Fisco. Só que a Autoridade Tributária decidiu efetuar, entretanto, uma auditoria e concluiu que, afinal, a câmara devia 1,1 milhões e lançou uma execução fiscal.

A autarquia não concordou com as contas feitas pela Autoridade Tributária, pelo que recorreu da decisão. Para parar a execução fiscal, a câmara teve de apresentar garantias. O Fisco queria ficar com os 900 mil euros que tinha de devolver, mas a câmara recorreu para o Tribunal Administrativo de Loulé e ganhou.

Assim, em vez de dinheiro, o município – que atravessa dificuldades financeiras – optou por constituir uma hipoteca voluntária a favor do Fisco com imóveis, no valor de 1,4 milhões de euros.

Portimão finanças municípios Fisco câmara milhão litígio IVA
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)